"Insultar os muçulmanos não nos torna mais seguros"

Legado histórico e críticas a Trump no último discurso do Estado da União de Obama. Uma insistência: o levantamento do embargo a Cuba. Uma novidade: anunciou uma nova campanha nacional contra o cancro

O Presidente dos Estados Unidos fez na madrugada desta quarta-feira (hora de Lisboa) aquele que foi o seu último discurso do Estado da União. No Capitólio, em Washington, Barack Obama frisou o legado da sua administração, desde o crescimento económico do país ao restabelecimento das relações diplomáticas com Cuba, mas também criticou aqueles que se mostram contra a mudança dos tempos e os que se manifestam contra fenómenos como a imigração ou promovem a intolerância.

Diante das duas câmaras do Congresso (Câmara dos Representantes e Senado), Obama teve palavras duras, algumas evidentemente apontadas a posições radicais que têm surgido recentemente, como do candidato presidencial republicano Donald Trump, mas também contra aqueles que rejeitam a mudança.

Para Obama, apenas a inovação, especialmente tecnológica, é capaz de permitir os EUA e o mundo de enfrentarem os desafios que se avizinham, especialmente em matérias como as alterações climáticas ou o combate às desigualdades.

Relativamente à questão da segurança internacional, Obama sublinhou a nova posição estratégica dos EUA, não como única polícia do mundo mas como líder de coligações que envolvam os diversos países, na prossecução da segurança global.

A este nível, o Presidente americano tentou acalmar quem vê no combate ao Estado Islâmico a "terceira guerra mundial", pois o EI "não ameaça a existência nacional", e exortou o Congresso a aprovar uma base legal e específica para essa campanha.

Quando os políticos insultam os muçulmanos, uma mesquita é destruída ou uma criança é intimidada, isso não nos torna mais seguros

"Enquanto nos centramos em destruir o Estado Islâmico [EI], as mensagens exageradas de que esta é a Terceira Guerra Mundial apenas beneficiam" os 'jihadistas', afirmou Obama. "Eles não ameaçam a nossa existência nacional. Essa é a história que o EI quer contar, é o tipo de propaganda que usam para recrutar", frisou.

Obama disse ainda que "insultar" os muçulmanos não só não torna o país "mais seguro" como "atraiçoa" a essência do que significa ser norte-americano, numa alusão ao aspirante a candidato republicano à Presidência dos EUA Donald Trump.

"Quando os políticos insultam os muçulmanos, uma mesquita é destruída ou uma criança é intimidada, isso não nos torna mais seguros (...). É simplesmente incorreto. Diminui-nos aos olhos do mundo", enfatizou.

Por isso, instou a que se "rejeite" qualquer política que ataque "por motivos de raça ou religião" e sublinhou que o mundo inteiro respeita os Estados Unidos precisamente pela sua "diversidade" e "abertura".

Quer o fim do embargo a Cuba

Esta nova atitude dos EUA para com o resto do mundo permitiu, segundo Obama, criar condições para o acordo nuclear com o Irão e o restabelecimento de relações diplomáticas com Cuba. Aliás, Obama, instou mesmo o Congresso a levantar o embargo à ilha de Fidel.

"Cinquenta anos de isolamento de Cuba falharam em promover a democracia e fizeram-nos recuar na América Latina", afirmou Obama, um ano depois do anúncio da histórica aproximação entre Washington e Havana lançada durante a sua Administração.

"É por isso que restaurámos as relações diplomáticas, abrimos a porta às viagens e ao comércio, e posicionamo-nos para melhorar as vidas do povo cubano. Querem que consolidemos a nossa liderança e credibilidade no continente? Reconheçam que a Guerra Fria acabou. Levantem o embargo", disse.

Em jeito de balanço da conjuntura dos EUA nos últimos sete anos, o Presidente, afirmou: "Já vos disse que todas as discussões sobre o declínio da economia norte-americana eram uma ficção política (...). Os Estados Unidos da América são a nação mais potente do mundo".

"Os Estados Unidos têm a economia mais forte e duradoura do mundo. Mais de 14 milhões de novos postos de trabalho, os dois anos de maior crescimento do emprego desde os anos 1990, o desemprego reduzido a metade. Qualquer um que diga que a economia dos EUA está em declínio está a vender ficção", frisou.

O Presidente dos EUA admitiu, contudo, que "muitos norte-americanos" estão preocupados porque a economia "tem estado a mudar de forma profunda", citando a substituição de postos de trabalho pelas tecnologias de autómatos, a liberdade de movimento internacional para as empresas e o aumento das desigualdades.

"As empresas numa economia global podem estar localizadas em qualquer sítio e enfrentam maior concorrência. Como resultado, os trabalhadores têm menor capacidade de negociação. As empresas são menos fiéis às suas comunidades e mais e mais riqueza se concentra nas mãos dos mais ricos", apontou.

Os imigrantes não são a razão pela qual os salários não subiram o suficiente

Segundo Obama, todos estes factos "espremeram" os trabalhadores, "incluindo os que têm emprego e incluindo quando a economia está em crescimento", e fizeram com que hoje seja "mais difícil" para uma família trabalhadora sair da pobreza, para os jovens iniciarem as suas carreiras profissionais e para os trabalhadores reformarem-se.

O Presidente dos Estados Unidos aproveitou ainda para lançar críticas aos bancos de Wall Street, cuja "temeridade" foi a causa da crise financeira, "e não as pessoas que vivem das ajudas governamentais para receber alimentos".

"Os imigrantes não são a razão pela qual os salários não subiram o suficiente, este tipo de decisões toma-se em salas de reuniões que com demasiada frequência colocam os resultados trimestrais acima dos retornos a longo prazo", acrescentou.

Biden contra o cancro

O Presidente dos Estados Unidos anunciou ainda uma "nova campanha nacional" contra o cancro, por via da qual pretende aumentar os recursos públicos e privados para combater a doença, reforçando os meios dedicados à investigação.

"Pelos entes queridos que todos perdemos, pela família que ainda podemos salvar, façamos com que os Estados Unidos sejam o país que cura o cancro de uma vez por todas", disse.

Obama colocou à frente da iniciativa o seu vice-presidente, Joe Biden, que fez da luta contra o cancro uma prioridade pessoal desde que, em maio, perdeu o seu filho Beau, de 46 anos, devido a um tumor cerebral.

O discurso na íntegra:

O discurso do Estado da União ('State of the Union') é uma tradição política americana iniciada pelo primeiro Presidente dos Estados Unidos, George Washington (1789-1797).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.