Obama "mais cerebral do que emocional". O que ele disse no Porto?

O investigador universitário Bernardo Pires de Lima, cronista do Diário de Notícias, acompanhou no Coliseu do Porto a intervenção do antigo presidente dos Estados Unidos

"Juan Verde, o seu gestor de campanha, fez-lhe nove perguntas para introduzir os tópicos de conversa. E Obama, mesmo sem grandes momentos arrebatadores, terminou a intervenção perante uma plateia que o aplaudiu de pé. Saliento as referências que fez à necessidade de envolver as novas gerações e de encontrar uma solução para os media tradicionais.

Numa alusão ao que se passa atualmente nos EUA, disse que a Fox e o New York Times revelam dois mundos que não encaixam, salientando que não tinha a solução mas que sabia que os media tradicionais não são apenas negócios, são protetores das nossas democracias.

Vi um Barack Obama simpático, afável, carismático mas muito cansado. Tem um perfil hoje em dia bastante mais cerebral do que emocional, o que revela um traço que, não sendo novo para quem o acompanha há anos, ilustra o facto de ser muito melhor em campanha política do que orador neste tipo de formato.

No jogo de espelhos entre o atual presidente e o anterior, é como falar da água e do vinho. Quem esperava um ataque ao presidente Trump ou um discurso aguerrido contra a atual administração norte-americana, viu um Obama cerebral, sensato, sem precisar de referir o nome do presidente dos EUA, mas não deixando de identificar os lados perversos da atual administração.

Obama discursou sobre os vários pontos da agenda internacional, mas olhando sempre para o lado positivo da política e não apocalítico. Ilustrativo dessa forma de estar é o exemplo que deu de quando pensou em candidatar-se presidência dos EUA. Perguntou a Michelle Obama o que ela achava da hipótese, ao que ela respondeu: Odeio a política. Ele aceitou a observação, salientando que também existe Mandela, Luther King e Vaclav Havel e que preferia olhar para a política com estes exemplos e não para os perversos.

É nessa altura que chega ao momento mais importante da sua conferência, que também faz parte da sua fundação, e que passa por inspirar as novas gerações. O exemplo que ele dá é um ato de humildade quando diz que deve a eleição de 2008 a um grupo alargado de jovens entre os 20 e 25 anos. Acreditaram que era preciso fazer uma campanha diferente, utilizando novos recursos, contra todos os fatalismos sobre o sucesso desta receita. Defendeu que é para esta geração que se deve continuar a abrir as portas da política, das empresas e da ação cultural, porque se não as agarrarmos corremos o risco de as perder para o desinteresse político e para franjas ideológicas.

Falou sobre o combate contra as alterações climáticas, que no seu entender está muito mais vivo para a nova geração do que para a geração dele. Os jovens estão muito mais conscientes de que é preciso fazer coisas na economia, nas energias renováveis e na política de uma forma concertada e não entrincheirada. Não devemos perder esta geração, frisou Obama.

No atual momento de pré-cimeira da NATO e do encontro Trump-Putin, saliento duas intervenções importantes onde valorizou os esforços da Europa e dos EUA, nomeadamente com o acordo de Paris. Disse que é preciso não perder as gerações mais novas, não deixando de fazer um alerta para a necessidade de democratizar o processo de decisão da Europa para que o discurso anti-elites não dê força aos movimentos nacionalistas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.