Obama enaltece "fortalecimento dos laços" entre os Estados Unidos e o Vietname

Líder norte-americano vai estar três dias no Vietname

Barack Obama enalteceu hoje o "fortalecimento dos laços" entre os Estados Unidos e o Vietname, no arranque da sua visita ao país, numa altura em que as antigas nações inimigas partilham preocupações em relação às disputadas marítimas da China.

"Estamos aqui como símbolo do fortalecimento dos laços que conseguimos atingir nas últimas décadas", disse o Presidente norte-americano ao seu homólogo Tran Dai Quang, em Hanói.

"A toda a linha, temos visto um aumento na cooperação em benfícios de ambos os nossos povos", afirmou Barack Obama.

O líder norte-americano disse esperar que a sua visita de três dias possa servir para demonstrar aos vietnamitas a "amizade e afeto" que existe entre os dois países.

As relações entre os Estados Unidos e o Vietname sofreram uma grande transformação nos últimos anos, passando de nações inimigas marcadas por uma década de guerra, a aliados regionais.

Como símbolo dessa mudança, os dois líderes apertaram mãos antes do encontro, numa sala dominada pelo enorme busto do líder comunista revolucionário vietnamita, Ho Chi Minh.

A chegada de Obama a Hanói foi observada por muitos vietnamitas.

"Gosto de Obama, parece moderado. Esta é uma oportunidade única para ver o Presidente dos Estados Unidos no Vietname", disse Nguyen Toan Thang à AFP.

Obama vai encontrar-se com o primeiro-ministro Nguyen Xuan Phuc, e também com o secretário-geral do Partido Comunista, tido como o verdadeiro líder do país, Nguyen Phu Trong.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.