Obama dança tango em jantar de gala em Buenos Aires

Uma bailarina incentivou o Presidente Obama a ocupar a pista e um bailarino fez o mesmo com a primeira-dama. Veja as imagens

Barack e Michelle Obama dançaram tango, na quarta-feira, num jantar de gala em que foram homenageados em Buenos Aires, e onde o Presidente norte-americano e o seu homólogo argentino, Mauricio Macri, destacaram o "novo começo" da relação bilateral.

O jantar decorreu no Salón de los Escudos no Centro Cultural Kirchner, à luz das velas e com mesas decoradas com centros de rosas brancas.

A noite contou com um espetáculo de tango. Após um par de atuações, a bailarina incentivou o Presidente Obama a ocupar a pista, e o bailarino fez o mesmo com a primeira-dama, descreve a agência Efe.

Os dois dançaram, cada um com um bailarino, ao ritmo do tango, sorridentes, durante uns segundos, entre os aplausos dos convidados do jantar.

Após um brinde, Macri disse que a visita de Obama à Argentina tinha acontecido "no momento perfeito", em que os argentinos decidiram "construir relações mais maduras e sensatas com todos os países".

"Devemos superar os velhos rancores entre os Estados Unidos e a América Latina, e olhar para o futuro", pediu o Presidente argentino, garantindo que Washington não deve esperar de Buenos Aires "confrontos infundados".

"Connosco terá diálogo e boa-fé", sublinhou.

No seu brinde em resposta, Obama afirmou que a sua visita à Argentina tem como objetivo, entre outras coisas, "celebrar uma nova e muito diferente era" com todo o continente.

"A minha esperança é que isto seja um novo começo", manifestou Obama, notando que tanto ele como Macri tentam "viver à altura do exemplo de um argentino singular", o papa Francisco.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.