Obama assume-se como feminista no dia que faz 55 anos

Líder americano diz que educar duas filhas lhe deu a consciência da pressão a que estão submetidas as raparigas e mulheres

O Presidente norte-americano, Barack Obama, assumiu-se como feminista num editorial hoje publicado por ocasião do seu 55.º aniversário e defendeu a continuação dos esforços para derrubar os preconceitos de género.

"É uma época extraordinária para ser mulher", escreveu Barack Obama na revista feminina Glamour, adiantando que não o diz apenas como Presidente mas também como feminista.

Traçando os progressos alcançados pelas mulheres, desde o direito de voto ao acesso às profissionais antes fechadas às mulheres, Obama disse que educar as suas duas filhas, atualmente com 18 e 15 anos, lhe deu consciência da pressão a que estão submetidas as raparigas e mulheres.

"Vemos os comportamentos sociais subtis e menos subtis transmitirem-se através da cultura. Vemos enorme pressão sobre as raparigas para que tenham uma determinada aparência e um certo comportamento e até mesmo uma certa forma de pensar", continuou o presidente norte-americano, que em janeiro abandona a Casa Branca depois de dois mandatos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.