Obama abre a carteira: mil milhões para combater o cancro

Presidente americano tinha dito, no discurso do Estado da União, que o combate ao cancro era um objetivo nacional. Agora anuncia o dinheiro a investir no projeto

A Casa Branca propôs hoje um orçamento de mil milhões de dólares (cerca de 918 milhões de euros) para financiar uma nova iniciativa do Presidente norte-americano, Barack Obama, para eliminar o cancro.

"A ciência está pronta para um novo esforço concentrado que esta iniciativa pode produzir", referiu, em comunicado, a Presidência norte-americana.

No discurso sobre o Estado da União, proferido em janeiro, o Presidente Barack Obama pediu ao vice-presidente, Joe Biden, para liderar a iniciativa nacional para eliminar o cancro.

Um orçamento de 195 milhões de dólares foi já disponibilizado pelos institutos nacionais de saúde para que o novo esforço de pesquisa do cancro possa começar imediatamente.

O Presidente Obama vai pedir ao Congresso uma verba adicional de 755 mil milhões de dólares.

"O nosso objetivo é superar os obstáculos burocráticos que a ciência pode fazer aos resultados", afirmou Joe Biden, numa declaração.

Segundo o Vice-Presidente norte-americano, apenas 5% dos doentes com cancro podem participar em ensaios clínicos e a maioria não tem acesso aos seus próprios dados médicos.

"Os oncologistas que tratam mais de 75% dos doentes têm acesso à investigação e aos mais recentes avanços registados", lamentou.

A nova iniciativa visa especialmente desenvolver novas vacinas contra o cancro e deteção precoce da doença para a eliminar.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.