Obama abre a carteira: mil milhões para combater o cancro

Presidente americano tinha dito, no discurso do Estado da União, que o combate ao cancro era um objetivo nacional. Agora anuncia o dinheiro a investir no projeto

A Casa Branca propôs hoje um orçamento de mil milhões de dólares (cerca de 918 milhões de euros) para financiar uma nova iniciativa do Presidente norte-americano, Barack Obama, para eliminar o cancro.

"A ciência está pronta para um novo esforço concentrado que esta iniciativa pode produzir", referiu, em comunicado, a Presidência norte-americana.

No discurso sobre o Estado da União, proferido em janeiro, o Presidente Barack Obama pediu ao vice-presidente, Joe Biden, para liderar a iniciativa nacional para eliminar o cancro.

Um orçamento de 195 milhões de dólares foi já disponibilizado pelos institutos nacionais de saúde para que o novo esforço de pesquisa do cancro possa começar imediatamente.

O Presidente Obama vai pedir ao Congresso uma verba adicional de 755 mil milhões de dólares.

"O nosso objetivo é superar os obstáculos burocráticos que a ciência pode fazer aos resultados", afirmou Joe Biden, numa declaração.

Segundo o Vice-Presidente norte-americano, apenas 5% dos doentes com cancro podem participar em ensaios clínicos e a maioria não tem acesso aos seus próprios dados médicos.

"Os oncologistas que tratam mais de 75% dos doentes têm acesso à investigação e aos mais recentes avanços registados", lamentou.

A nova iniciativa visa especialmente desenvolver novas vacinas contra o cancro e deteção precoce da doença para a eliminar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.