O Taj Mahal está a mudar de cor

Poluição e fezes de animais têm vindo a manchar as paredes do edifício

O famoso monumento Taj Mahal, que foi mandado edificar pelo imperador Shah Jahan como uma prova de amor à mulher, que morreu no parto, está a mudar de cor. O Supremo Tribunal da Índia foi obrigado a intervir, determinando mesmo que o governo peça a ajuda de especialistas internacionais. O edifício, originalmente de mármore branco, ficou com uma cor amarelada e agora começa a ganhar tonalidades acastanhadas e verdes.

Os culpados parecem ser a poluição, mas também os insetos, que são atraídos pelo esgoto que termina no rio Yamuna, mesmo junto ao Taj Mahal, e cujas fezes estão a manchar as paredes do monumento datado do século XVII e que é visitado por 70 mil turistas diariamente.

"Anteriormente estava a ficar amarelo e agora está a ficar castanho e verde. É muito sério. Parece que não conseguimos fazer nada. Tem de ser salvo", determinou o tribunal, citado pelo Times of India.

Segundo a BBC, os juízes Madan Lokur e Deepak Gupta, do Supremo Tribunal, examinaram fotografias do palácio que lhes foram enviadas por ambientalistas e ordenaram que o Governo procurasse ajuda "dentro e fora da Índia".

Máscara de lama pode resgatar tonalidade original do edifício

Milhares de fábricas que ficavam perto do Taj Mahal já foram encerradas, mas os ativistas garantem que essa medida não está a ser suficiente - o edifício já foi limpo diversas vezes nas últimas décadas, mas o problema não ficou resolvido e tem vindo a agravar-se.

Uma das últimas intervenções consistiu em dar um banho de lama ao monumento, uma intervenção que começou em janeiro e que consiste em cobrir as paredes do monumento com uma pasta de lama que absorve a sujidade, a gordura e os excrementos de animais.

Espera-se que depois de lavada a lama, esta leve consigo toda a sujidade. A operação estará terminada no final deste ano.

O Taj Mahal foi construído entre 1631 e 1648, em Agra, Uttar Pradesh.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.