O supermercado da Amazon onde compra sem pagar na hora

Basta tirar os produtos das prateleiras e sair porta fora. A conta chega por smartphone.

Entrar, escolher os produtos e ir embora sem ter de esperar na fila para pagar. Este é o novo conceito do supermercado da Amazon, o Amazon Go em Seattle, que abriu esta segunda-feira ao público em geral, depois de ter sido testado pelos empregados da empresa.

Para poder fazer compras neste inovador supermercado, os consumidores têm apenas de descarregar uma aplicação e passar um código de barras por um scanner ao entrar na loja. Depois é só escolher os produtos, enquanto os sensores instalados na loja detetam os bens que estão a ser escolhidos e mal o consumidor sai da loja recebe a fatura no telemóvel.

O espaço abriu em 2016, na baixa de Seattle, mas apenas para aos colaboradores da Amazon que testaram o funcionamento da loja, até ser aberto ao público em geral

A Amazon Go tem como estratégia aumentar a presença da empresa no mercado do retalho alimentar, do qual controla apenas 1% nos EUA, através dos serviços de entrega ao domicílio (Amazon Fresh) e a entrega dos produtos encomendados numa hora (Prime Now).

Além do Amazon Go, a empresa prepara o lançamento de duas mercearias drive-in, em Seattle, com os consumidores a fazerem as suas compras numa aplicação - depois basta passar na loja e levar os produtos, sem ser preciso sair do carro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.