O resort nazi que nunca foi terminado vai ser transformado em hotel de luxo

A escala do projeto impressiona

Estava pensado para ser o maior resort do mundo, antes da era do turismo de massas, nos anos 30, mas nunca chegou a ser acabado. Agora está a ser recuperado e já há apartamentos à venda num complexo que tem também um hotel e um spa e que deverá ficar completo em 2022.

Foi em 1936 que Hitler ordenou a construção de um enorme complexo na ilha de Rügen, no Báltico, com capacidade para mais de 20 mil residentes, pensado para recompensar os trabalhadores ligados ao partido nazi - mas a construção parou com a eclosão da II Guerra Mundial e "Prora" ficou como uma má recordação, a degradar-se ao longo de décadas.

Mais de nove mil pessoas trabalharam na construção do empreendimento, que se estende ao longo de mais de quatro quilómetros, a poucos metros do mar Báltico. "As fotos não lhe fazem justiça. É demasiado grande", explica o historiador e guia Roger Moorhouse, citado pelo Business Insider.

Foi já este século que finalmente avançaram os planos para recuperar o complexo, com as obras a começarem em 2013.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.