O que sabemos até agora sobre os atentados de Bruxelas

Os ataques terroristas mataram pelo menos 31 pessoas e feriram mais de 300. Ataque foi reivindicado pelo Estado Islâmico

O que sabemos sobre os atentados de Bruxelas às 20.00 de quarta-feira (em Lisboa):

- O aeroporto de Zaventem, em Bruxelas, foi abalado por duas fortes explosões perto das 8.00 de terça-feira (7.00 em Lisboa).

- Uma fotografia que mostra os suspeitos de ter perpetrado o ataque ao aeroporto foi divulgada pelos meios de comunicação. O homem do do meio na fotografia foi identificado como Ibrahim el -Bakraoui, que se fez explodir no aeroporto. O homem da esquerda é Najim Laachraoui, o segundo bombista suicida do aeroporto, que teve de ser identificado pelo ADN. O homem da direita, de casaco branco e chapéu, permanece a monte e por identificar. Leia mais aqui.

- Cerca de uma hora depois, uma terceira explosão foi sentida na estação de metro de Maelbeek, perto das instituições europeias no centro da capital belga. Este ataque foi perpetrado por Khalid El Bakraoui, irmão de Ibrahim.

- Pelo menos 31 pessoas morreram, segundo o último balanço. O ministério da Saúde divulga ainda que há mais de 300 feridos, 150 dos quais continuam hospitalizados, com 61 nos cuidados intensivos. Há 21 portugueses feridos.

- O atentado foi reivindicado pela organização terrorista Estado Islâmico, através da sua agência noticiosa, a A'maq. O grupo terrorista deixa ainda a ameaça de "dias bem sombrios".

- O governo belga subiu o nível de alerta terrorista para 4, o mais alto. O plano regional de catástrofe para a zona de Bruxelas foi ativado.

- O aeroporto de Zaventem vai permanecer encerrado pelo menos até sexta-feira.

- Um engenho explosivo que continha produtos químicos e pregos foi descoberto juntamente com uma bandeira do Estado Islâmico numa rusga realizada pelas autoridades em Schaarbeek, bairro situado a norte de Bruxelas.

- Em várias cidades europeias sucedem-se as homenagens às vítimas dos atentados. Alguns monumentos estão iluminados com as cores da bandeira belga e decorrem várias vigílias.

- O rei da Bélgica afirmou, numa declaração dirigida ao país, que "O 22 de março nunca mais será um dia como os outros". Filipe referiu que "os vidros estilhaçados, as feridas profundas e sofrimento delas resultante são sentidos pelo país inteiro", depois de ter começado o discurso com "hoje, o nosso país está de luto".

- O ministro do Interior belga, Jan Jambon, salientou que as autoridades estavam cientes que um ataque extremista estava a ser preparado na Europa, no entanto, confessou que foram surpreendidas pela dimensão dos atentados desta terça-feira em Bruxelas.

Continue a acompanhar os desenvolvimentos em direto aqui.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.