O pior fogo de sempre: Califórnia arde há duas semanas

O cenário é de horror a noroeste de Sacramento, no norte da Califórnia. Em cem anos, nunca ali houve um fogo pior do que o de Mendocino.

Quase duas semanas a arder reduziram a cinzas mais de 115 mil hectares em Mendocino - uma área que ultrapassa a da cidade de Nova Iorque -, ultrapassando os números negros dos incêndios do último ano e batendo o recorde desde que há registo. Com temperaturas a rondar os 43 graus, a região em seca e o vento a dificultar os trabalhos dos bombeiros, este é já considerado o pior fogo de sempre na Califórnia - o do condado de Thomas arrasara no ano passado menos mil hectares. E não há esperança de que abrande em breve.

Ateada a 27 de julho, a menos de 300 quilómetros de São Francisco, a área em chamas aumentou quase para o dobro nos últimos três dias, deixando um rasto de destruição na reserva natural de Mendocino, que inclui 40 mil desalojados e sete mortos.

As autoridades temem que o fogo possa ainda vir a afetar mais de 10 mil casas naquela área, tendo intimado os proprietários de muitas delas para que abandonem o local.

Mais de 12 mil bombeiros estão a combater o fogo no local. Já foi decretado o estado de emergência na Califórnia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.