O pior fogo de sempre: Califórnia arde há duas semanas

O cenário é de horror a noroeste de Sacramento, no norte da Califórnia. Em cem anos, nunca ali houve um fogo pior do que o de Mendocino.

Quase duas semanas a arder reduziram a cinzas mais de 115 mil hectares em Mendocino - uma área que ultrapassa a da cidade de Nova Iorque -, ultrapassando os números negros dos incêndios do último ano e batendo o recorde desde que há registo. Com temperaturas a rondar os 43 graus, a região em seca e o vento a dificultar os trabalhos dos bombeiros, este é já considerado o pior fogo de sempre na Califórnia - o do condado de Thomas arrasara no ano passado menos mil hectares. E não há esperança de que abrande em breve.

Ateada a 27 de julho, a menos de 300 quilómetros de São Francisco, a área em chamas aumentou quase para o dobro nos últimos três dias, deixando um rasto de destruição na reserva natural de Mendocino, que inclui 40 mil desalojados e sete mortos.

As autoridades temem que o fogo possa ainda vir a afetar mais de 10 mil casas naquela área, tendo intimado os proprietários de muitas delas para que abandonem o local.

Mais de 12 mil bombeiros estão a combater o fogo no local. Já foi decretado o estado de emergência na Califórnia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.