O outro candidato que quer a vitória... do presidente

Chegaram a ser cinco candidaturas opostas à do atual presidente. Todas desistiram. À última hora, surgiu Mostafa Moussa.

Formalizou a candidatura no final do prazo-limite, em janeiro. Até aí, ele próprio e o partido que dirige, o liberal Ghad, tinham manifestado intenção de apoiar o presidente Abdel Fattah al-Sisi. E mesmo após o anúncio da candidatura continua a dizer que considera o antigo general a melhor opção para a presidência do Egito. O que tem levado personalidades da oposição a afirmar que Moussa Mostafa Moussa não passa de um instrumento ao serviço de Sisi para que na votação dos dias 26 a 28 este último não surja sem qualquer oponente.

Mas ficou claro, quer no período de formalização de candidaturas quer durante a campanha, que o presidente não queria mesmo ter oposição digna desse nome. Se Ahmed Shafik, o candidato que ficou a curta distância de Mohammed Morsi, da Irmandade Muçulmana, nas presidenciais de 2012, anunciou que não se apresentaria nestas eleições, os cinco que apresentaram candidaturas foram-nas retirando ao longo da campanha, declarando não existirem condições para eleições livres e justas.

Aquele que poderia ser um dos principais opositores de Sisi, o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas entre 2005 e 2012, Sami Hafez Anan, foi preso em janeiro, sob acusação de ter forjado o seu pedido de passagem à reserva (o que sucedeu em 2012). Para o Ministério da Defesa, Anan continua a ser um oficial no ativo e no Egito estes não podem concorrer a cargos políticos.

Um outro candidato, Khaled Ali, ativista de direitos humanos e que já se candidatara em 2012, denunciou várias tentativas de intimidação e retirou-se da campanha em protesto pela prisão de Anan. O mesmo sucedeu com o candidato laico El-Sayyid al-Badawi, que pertence ao partido Wafd, uma das formações históricas da política egípcia. Este acabou por reconhecer não haver condições para um voto livre.

De forma diferente, os restantes candidatos, Mortada Mansour, um jurista e presidente do Zamalek Sporting Club (uma das equipas mais importantes no país) e apoiante de Al-Sisi em 2014, e Anwar Essmat Sadat, sobrinho do antigo presidente Anwar el-Sadat e político liberal, chegaram à mesma conclusão. O que deixou caminho aberto para Moussa. Admitindo não estar de acordo com a política económica do presidente, entre outras questões, Moussa justificou a candidatura por "ter ideias próprias" e por "não ser bom para a imagem do país haver um só candidato", Al-Sisi, que evita criticar. E que espera que saia vitorioso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.