O jogo em que Bolsonaro espanca mulheres, gays e negros

"Derrote os males do comunismo neste 'game' politicamente incorreto e seja o herói que vai livrar a nação da miséria", convida o Bolsomito 2K18

O jogo de computador Bolsomito 2K18, em que o herói Jair Bolsonaro espanca feministas, negros, gays e militantes de esquerda, está a dar que falar. O site da revista Carta Capital , conotada com a esquerda, noticiou-o e deixou no ar as moradas eletrónicas do Ministério Público por onde eventuais ofendidos possam fazer denúncias.

No convite para o download do jogo lê-se "derrote os males do comunismo nesse game politicamente incorreto e seja o herói que vai livrar uma nação inteira da miséria, esteja preparado para enfrentar os mais diferentes tipos de inimigos que pretendem instaurar uma ditadura ideológica criminosa no país, muita porrada e boas risadas".

O protagonista, Bolsomito, é, segundo os criadores, "um cidadão de bem cansado da crescente corrupção e inversão de valores". Deve acabar com os líderes do temido exército vermelho, responsável por alienar e doutrinar parte da nação. No entanto, para chegar à cúpula da organização, Bolsomito tem que enfrentar os tais grupos minoritários que não são mais do que marionetes do exército vermelho.

Ainda segundo a Carta Capital, nos comentários ao jogo, 69 de 77 dos utilizadores elogiam-no.

Jair Bolsonaro, candidato de extrema-direita do PSL, concorre com Fernando Haddad, do PT, de esquerda, pela presidência do Brasil na segunda volta eleitoral, marcada para dia 28. O ex-capitão do exército venceu a primeira volta no passado dia 7, Haddad ficou em segundo lugar.

Em São Paulo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.