O jogo em que Bolsonaro espanca mulheres, gays e negros

"Derrote os males do comunismo neste 'game' politicamente incorreto e seja o herói que vai livrar a nação da miséria", convida o Bolsomito 2K18

O jogo de computador Bolsomito 2K18, em que o herói Jair Bolsonaro espanca feministas, negros, gays e militantes de esquerda, está a dar que falar. O site da revista Carta Capital , conotada com a esquerda, noticiou-o e deixou no ar as moradas eletrónicas do Ministério Público por onde eventuais ofendidos possam fazer denúncias.

No convite para o download do jogo lê-se "derrote os males do comunismo nesse game politicamente incorreto e seja o herói que vai livrar uma nação inteira da miséria, esteja preparado para enfrentar os mais diferentes tipos de inimigos que pretendem instaurar uma ditadura ideológica criminosa no país, muita porrada e boas risadas".

O protagonista, Bolsomito, é, segundo os criadores, "um cidadão de bem cansado da crescente corrupção e inversão de valores". Deve acabar com os líderes do temido exército vermelho, responsável por alienar e doutrinar parte da nação. No entanto, para chegar à cúpula da organização, Bolsomito tem que enfrentar os tais grupos minoritários que não são mais do que marionetes do exército vermelho.

Ainda segundo a Carta Capital, nos comentários ao jogo, 69 de 77 dos utilizadores elogiam-no.

Jair Bolsonaro, candidato de extrema-direita do PSL, concorre com Fernando Haddad, do PT, de esquerda, pela presidência do Brasil na segunda volta eleitoral, marcada para dia 28. O ex-capitão do exército venceu a primeira volta no passado dia 7, Haddad ficou em segundo lugar.

Em São Paulo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.