O jogo em que Bolsonaro espanca mulheres, gays e negros

"Derrote os males do comunismo neste 'game' politicamente incorreto e seja o herói que vai livrar a nação da miséria", convida o Bolsomito 2K18

O jogo de computador Bolsomito 2K18, em que o herói Jair Bolsonaro espanca feministas, negros, gays e militantes de esquerda, está a dar que falar. O site da revista Carta Capital , conotada com a esquerda, noticiou-o e deixou no ar as moradas eletrónicas do Ministério Público por onde eventuais ofendidos possam fazer denúncias.

No convite para o download do jogo lê-se "derrote os males do comunismo nesse game politicamente incorreto e seja o herói que vai livrar uma nação inteira da miséria, esteja preparado para enfrentar os mais diferentes tipos de inimigos que pretendem instaurar uma ditadura ideológica criminosa no país, muita porrada e boas risadas".

O protagonista, Bolsomito, é, segundo os criadores, "um cidadão de bem cansado da crescente corrupção e inversão de valores". Deve acabar com os líderes do temido exército vermelho, responsável por alienar e doutrinar parte da nação. No entanto, para chegar à cúpula da organização, Bolsomito tem que enfrentar os tais grupos minoritários que não são mais do que marionetes do exército vermelho.

Ainda segundo a Carta Capital, nos comentários ao jogo, 69 de 77 dos utilizadores elogiam-no.

Jair Bolsonaro, candidato de extrema-direita do PSL, concorre com Fernando Haddad, do PT, de esquerda, pela presidência do Brasil na segunda volta eleitoral, marcada para dia 28. O ex-capitão do exército venceu a primeira volta no passado dia 7, Haddad ficou em segundo lugar.

Em São Paulo

Ler mais

Premium

nuno camarneiro

Calma que isto é Portugal

Deve ter sido lá pelas duas, duas e meia, eu dava voltas a um texto que não se deixava domesticar e as pálpebras queixavam-se do cansaço, do fumo das cigarrilhas e de algumas metáforas rebuscadas. Quando me preparava para a última revisão ouvi alguém que descia a rua e pareceu estacar junto à janela do escritório. Um breve silêncio e logo o som inconfundível de um líquido que jorra por ação humana e o suspiro de alívio que o costuma acompanhar.

Premium

Anselmo Crespo

Orçamento melhoral: não faz bem, mas também não faz mal

A menos de um ano das eleições, a principal prioridade política do Governo na elaboração do Orçamento do Estado do próximo ano parece ter sido não cometer erros. Esperar pelos da oposição. E, sobretudo, não irritar ninguém. As boas notícias foram quase todas libertadas nas semanas que antecederam a apresentação do documento. As más - que também as há - ou dizem pouco à esmagadora maioria da população, ou são direcionadas a nichos da sociedade que não decidem eleições.