O "Irão mentiu" e tem programa nuclear "secreto", diz Netanyahu

Líder israelita diz ter em sua posse milhares de documentos que provam a tese

O primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu acusou esta segunda-feira o Irão de mentir relativamente ao programa nuclear, depois de ter assinado, em 2015, um acordo com várias nações sobre o assunto.

"Os líderes iranianos negaram várias vezes o seu programa nuclear. Estou aqui para dizer uma coisa: 'o Irão mentiu'", afirmou Netanyahu.

"Depois de assinar o acordo nuclear em 2015, o Irão intensificou esforços para esconder ficheiros que são secretos. Em 2017, o Irão moveu as suas armas nucleares para um local altamente secreto em Teerão", acrescentou, segundo a Reuters.

O primeiro-ministro de Israel disse ainda ter milhares de documentos que provam mentiras "descaradas" do lado iraniano sobre um programa nuclear "secreto".

Netanyahu, um virulento crítico do acordo internacional sobre as atividades nucleares do Irão, exprimia-se na aproximação da data limite de 12 de maio, fixada pelo Presidente dos EUA Donald Trump, em que será decidida uma eventual denúncia por Washington do acordo concluído em 2015.

O primeiro-ministro israelita assegurou que o seu governo obteve "meia tonelada" de documentos secretos iranianos que provam a existência de um programa de armas nucleares.

Ao referir-se a uma "grande proeza dos serviços de informações", Netanyahu assegurou que os documentos demonstram as ambições nucleares iranianas antes da assinatura do acordo de 2015 com as potências mundiais.

O Irão tem rejeitado todas as alegações sobre a existência de um programa de armamento nuclear.

Durante uma intervenção transmitida pela televisão, e apoiando-se em fotos e gráficos, Netanyahu disse que Israel conseguiu recentemente desvendar 55.000 documentos e 183 CD de informações provenientes dos "arquivos nucleares" do Irão.

Exprimindo-se em inglês, talvez a pensar na sua audiência internacional, disse ainda que o material contém provas incriminatórias e que demonstram que o programa iraniano, designado "Projeto Amad", se destina a desenvolver a arma nuclear.

Em 12 de maio o Presidente Donald Trump decide sobre a eventual retirada dos EUA do acordo internacional com o Irão. Netanyahu tem emitido diversos apelos a Washington para que anuncie essa retirada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.