O diplomata afro-chinês que desafia a família Bongo no Gabão

Jean Ping foi cunhado de Ali Bongo, ministro do pai deste, Omar Bongo, mas rompeu com o clã e agora alega ser ele o vencedor legítimo das eleições presidenciais de há uma semana

"O presidente sou eu", declarou Jean Ping na sexta-feira à noite, depois de andar há dois dias a contestar os resultados das eleições presidenciais no Gabão. Estes deram a vitória a Ali Bongo, o atual chefe do Estado no poder desde 2009. Sucedeu ao pai, Omar Bongo, que durante 42 anos liderou os destinos deste Estado da África Central. O país mergulhou no caos desde a passada quarta-feira, quando a Comissão Eleitoral anunciou que Bongo venceu Ping, com 49,8% dos votos contra 48,23%. E os apelos à calma e à verificação dos resultados não têm parado por parte da oposição gabonesa e por parte da comunidade internacional. Mas quem é o político afro-chinês que agora, aos 73 anos, resolveu desafiar a família Bongo no Gabão?

Jean Ping nasceu em Ombué, cidade da lagoa Fernand Vaz, que fica situada a sul de Porto-Gentil. O seu pai, Cheng Zhiping, era um chinês oriundo de Wenzhou, que chegou a França nos anos 1930. Aí trabalhou numa fábrica de bicicletas, seguindo depois para o Gabão, onde começou a trabalhar na área da exploração florestal. Aí casou com a gabonesa Germaine Anina. Da união nasceu Jean Ping a 24 de novembro de 1942. Encorajado pela mãe, fez os seus estudos em França, sendo doutorado em Ciências Económicas pela conceituada Universidade da Sorbonne. Foi em solo francês que iniciou a sua carreira internacional como funcionário da Unesco em Paris, tendo sido, entre os anos 1978 e 1984, delegado permanente do Gabão, antes de regressar ao seu país natal.

Apesar de hoje se opor a um membro do clã Bongo, a verdade é que Jean Ping serviu, muitos anos, essa mesma família e até chegou a fazer parte dela. Nos anos 1990 foi casado com Pascaline Bongo, a filha mais velha de Omar Bongo. O casal teve dois filhos. Ping casou ainda mais duas vezes, primeiro com Marie-Madeleine Liane e depois com Jeanne-Thérése, tendo ao todo oito filhos. Entre 1990 e 2008 foi ministro de Omar Bongo nas mais diversas pastas, das Telecomunicações, à Energia, passando pelos Negócios Estrangeiros. Em 2004 foi escolhido para 59.º presidente da Assembleia Geral da ONU e, quatro anos depois, foi eleito à primeira volta presidente da Comissão da União Africana. Durante os anos em que ocupou o cargo, até outubro de 2012, foi por exemplo o interlocutor de Durão Barroso quando este era presidente da Comissão Europeia.

Ao serviço da União Africana mediou, por exemplo, a crise que irrompeu na Costa do Marfim em novembro de 2010, quando os dois candidatos às presidenciais, Laurent Gbagbo e Alassane Ouattara, se proclamaram vencedores. Tal como acontece agora no Gabão. No caso da Costa do Marfim, Gbagbo acabou preso em 2011 e enviado nesse ano para o Tribunal Penal Internacional de Haia. No caso do Gabão, ainda está para se ver como tudo vai terminar. Numa altura em que acusa Ali Bongo de fraude eleitoral e manipulação, Ping vê-se constrangido com a divulgação de conversas telefónicas entre si e o assessor do presidente Ouattara, Mamadi Diané, que não só o aconselha a recorrer a piratas informáticos para difundir falsos rumores e para piratear dados do governo gabonês, como lhe sugere que provoque a demissão dos membros da Comissão Eleitoral. Diané negou as acusações, mas acabou demitido do gabinete do presidente marfinense. Falta saber o que acontecerá a Ping.

No momento presente não parece disposto a abandonar as suas acusações contra Ali Bongo, na esperança de poder contar com o apoio da França (ou pelo menos de uma parte da classe política daquela antiga potência colonial), mas também da UE e dos EUA, que já pediram a verificação e publicação dos resultados das eleições presidenciais de há uma semana. A chefe da diplomacia europeia, a italiana Federica Mogherini, considerou que a confiança nos resultados "não pode ser restaurada sem que haja uma verificação transparente em cada assembleia de voto". O mesmo exigiram os EUA. Do lado africano, porém, há silêncio, com a maioria dos líderes dos países do continente a continuarem sem se pronunciar sobre a crise. A única voz que se fez ouvir foi a da União Africana, que apelou à calma e à estabilidade do país. O Gabão tem cerca de dois milhões de habitantes e é rico em petróleo. A queda das receitas petrolíferas explica, em parte, algum descontentamento da população em relação ao regime de Ali Bongo.

Desde quarta-feira, dia em que foram anunciados os resultados que dão aos dois candidatos uma diferença de 5594 votos, o Parlamento do Gabão foi incendiado por opositores de Bongo, a sede de campanha de Ping foi tomada de assalto pelas forças de segurança gabonesas, vários apoiantes da oposição foram detidos, houve pilhagens de lojas, episódios de violência e sete mortos. "Estes não são protestos mas atos coordenados com o propósito de semear o medo entre os cidadãos que eles consideram que votaram de forma errada", afirmou, em comunicado, o gabinete de Bongo. Ping argumenta: "A oposição ganha sempre as eleições mas nunca chega ao poder por causa dos mesmos procedimentos que são usados pela família que há 50 anos confisca o poder". Resta saber quem acabará por sair vencedor desta disputa e como.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.