O arsenal de Kim: dezenas de ogivas, mísseis e material para 60 bombas

A 24 de maio, a Coreia do Norte destruiu parte do local onde realizou os seus seis ensaios nucleares. Mas, apesar das promessas de desnuclearização de Kim Jong-un, analistas duvidam das intenções do líder norte-coreano.

Em janeiro, as contas da Arms Control Association estimavam que a Coreia do Norte tenha entre dez e 20 ogivas e material físsil para 30 a 60 bombas nucleares. Apesar do secretismo do regime de Pyongyang, que torna difícil avaliar com certeza qual o seu arsenal, a mesma fonte estima que o país tenha 20 a 40 quilos de plutónio e entre 250 e 500 quilos de urânio altamente enriquecido. E até 2020 os peritos acreditam que a Coreia do Norte tenha até uma centena de ogivas prontas a ser colocadas em mísseis balísticos intercontinentais com alcance de 13 mil quilómetros - ou seja, capazes de chegar a todo o território continental americano.

Perante este arsenal, não espanta pois que, apesar de a 24 de maio o regime norte-coreano ter destruído parcialmente Punggye-ri, o local onde realizou os seus seis ensaios nucleares e de hoje Kim Jong-un se ter voltado a comprometer com a desnuclearização, os analistas tenham dúvidas de que tal venha mesmo a acontecer. Já a 27 de abril o líder norte-coreano assinara um documento com o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, em que se comprometia com a "desnuclearização da Península Coreana", mas sem dar pormenores concretos.

E mesmo acreditando na boa vontade de Kim, o processo de destruição do arsenal nuclear norte-coreano seria demorado e tecnicamente complicado. Para Siegfried Hecker, professor em Stanford ouvido pela NBC News, líder do programa de armas de Los Alamos e que já visitou as instalações nucleares da Coreia do Norte, seriam necessários pelo menos 15 anos para desmantelar o programa.

Se desde que chegou ao poder em 2011, sucedendo ao pai e ao avô, Kim tem procurado aliar o desenvolvimento das armas nucleares ao crescimento económico do país (a chamada política byungjin), agora o líder norte-coreano parece ter mudado de estratégia para se concentrar no segundo ponto. No discurso de ano novo, Kim garantiu que o arsenal nuclear norte-coreano está completo e, logo, os EUA nunca poderiam começar uma guerra contra a Coreia do Norte.

Quanto a entregar as armas nucleares, alguns analistas acham que se lhe derem os benefícios económicos certos - além de certas garantias de paz e de segurança -, Kim poderá abdicar do arsenal. "Ele procura o tipo de crescimento económico rápido a que assistimos na China", explicou ao The New York Times (NYT) Lee Jong-seok. Para este antigo ministro da reunificação sul-coreano, "a Coreia do Norte que Kim quer é diferente da que o pai dele queria". Para Lee não há qualquer dúvida de que o líder da Coreia do Norte "está disposto a trocar as armas nucleares pelo bem do desenvolvimento económico. Se ele ficasse satisfeito em garantir três refeições por dia ao seu povo, não iria desistir das armas nucleares".

Mas também há quem, como Lee Sung-yoon, perito em Coreia da Fletcher School of Law and Diplomacy na Tufts University, ache que Kim está apenas a usar uma velha tática: tentar enganar o inimigo com gestos grandiosos em troca de concessões, sem ter qualquer intenção de entregar as armas nucleares. Estas foram descritas pelo próprio Kim Jong-un como as "queridas espadas da justiça" e um "poderoso dissuasor capaz de salvaguardar o direito" do seu povo à existência.

Nos últimos tempos, Kim deu passos para desenvolver a economia. Pyongyang assiste a um boom na construção e foram criadas algumas zonas económicas especiais onde o líder norte-coreano espera atrair investimento estrangeiro. Mas para isso precisa que as sanções internacionais a que o país está sujeito sejam levantadas. E há até quem compare Kim a Deng Xiaoping, o artífice da abertura económica chinesa. "Se Kim se vai tornar no Deng Xiaoping da Coreia do Norte depende de a comunidade internacional, incluindo os EUA e a Coreia do Sul, poder dar garantias de segurança e oportunidades para o desenvolvimento económico de forma a que desnuclearize", explicou ao NYT Cheong Seong-chang, perito sul-coreano do Instituto Sejong.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.