O abstémio que odeia dar apertos de mão e pôs o cabelo numa aposta

Foi enviado para uma escola militar, tem perfumes e até desodorizantes com o seu nome. Eis alguns factos sobre o candidato republicano

O quarto de cinco filhos de uma família de Queens

Donald John Trump nasceu a 14 de junho de 1946 no bairro de Queens, em Nova Iorque, sendo o quarto dos cinco filhos de Frederick Trump, um empresário imobiliário, e Mary Anne MacLeod. A sua irmã mais velha, Maryanne, é juíza federal (foi nomeada por Bill Clinton, apesar de ser republicana), Elizabeth trabalha no Chase Manhattan Bank e Robert lidera a empresa deixada pelo pai. Fred Jr. morreu em 1981.

Disciplina militar para o jovem que testava as pessoas

Os pais enviaram-no para a Academia Militar de Nova Iorque quando ele tinha 13 anos, esperando que conseguisse ganhar disciplina. "Em adolescente, eu estava interessado acima de tudo em fazer maldades", escreveu Trump no seu livro The Art of Deal, de 1988. "Eu gostava de agitar as coisas e gostava de testar as pessoas."

Um presbiteriano de boas relações com a igreja

Trump é presbiteriano, tendo frequentado em criança a First Presbyterian Church, em Queens. Numa entrevista dada em abril de 2011 disse: "Sou protestante, sou presbiteriano. Acho que a religião é uma coisa maravilhosa. Acho que a minha religião é uma religião maravilhosa."

O avô paterno sueco que afinal era alemão

Durante anos, Trump pensou que o avô paterno era sueco, porque o pai apresentava a família como sendo da Suécia e não da Alemanha, segundo uma reportagem do The New York Times em 1999. A explicação foi dada por Fred Trump nos anos 1960: "Ele tinha muitos inquilinos judeus e não era bom ser alemão."

Campanha faz mudar estratégia de negócios

Talvez ciente do quanto a campanha está a ser prejudicial para os negócios (apesar de toda a família o negar), Trump anunciou em setembro que a sua próxima marca hoteleira se chamará Scion. Uma estratégia inédita para o homem que batizou todos os empreendimentos com o seu nome.

Atração por mulheres da Europa de Leste

Os ataques aos imigrantes têm sido um dos pontos fortes da campanha de Trump. Curiosamente, duas das mulheres do empresário são imigrantes, ambas da Europa de Leste. Ivana, a primeira mulher e mãe dos seus três filhos mais velhos, nasceu na Checoslováquia. Melania, a atual, é da Eslovénia, quando esta ainda fazia parte da Jugoslávia.

Abstémio por causa do irmão mais velho

Trump não bebe álcool porque o irmão mais velho, Fred Jr., morreu em 1981, aos 43 anos, vítima de alcoolismo. "Nunca percebi porque é que as pessoas não atacam as empresas de álcool como fizeram com as tabaqueiras. O álcool é um problema muito maior do que o tabaco", disse.

Quanto menos apertos de mão melhor

Trump odeia dar apertos de mão, cumprimento ao qual já se referiu várias vezes como "barbárico". "Uma das maldições da sociedade americana é o ato simples de apertar as mãos. E quanto mais bem-sucedida e famosa uma pessoa pior se torna este terrível costume. Sou um obcecado das mãos limpas. Sinto-me muito melhor depois de lavar as mãos de forma minuciosa", escreveu no seu livro The Art of Comeback, de 1997.

Deixou escapar compra dos New England Patriots

Em 1988, a equipa de futebol americano New England Patriots e o seu fundador, Billy Sullivan, estavam a passar por dificuldades financeiras. A 16 de fevereiro desse ano, os Patriots anunciaram que Trump estava a negociar a compra da equipa, mas 13 dias depois desistiu. "As pessoas dele disseram-lhe que entre a equipa e o estádio a dívida rondava os 104 milhões de dólares, o que era muito para ele", disse na altura uma fonte das negociações ao Boston Globe. Hoje, os Patriots valem cerca de 2,6 mil milhões de dólares.

O dia em que apostou cortar o cabelo

Em 2007, Donald Trump apostou o seu cabelo com o presidente da WWE (World Wrestling Entertainment), Vince McMahon. O desafio era o seguinte: dois lutadores profissionais lutariam em nome de ambos e o milionário derrotado teria de rapar o seu cabelo. O Batalha dos Bilionários: Cabelo vs. Cabelo realizou-se a 1 de abril de 2007. Trump ganhou.

Aprender a ser Trump enquanto se joga

Nos anos 1980 teve um jogo de tabuleiro chamado Trump: The Game, que foi descontinuado e depois reintroduzido no mercado, em 2004, enquanto foi apresentador do reality show O Aprendiz. No site americano da Amazon ainda existem alguns exemplares à venda por 63,80 dólares (cerca de 57 euros).

O doce perfume do sucesso de Trump

O republicano tem uma linha de produtos de beleza, que vão desde a eau de toilette ao after shave, passando pelo desodorizante, e podem ser compradas a partir de dez dólares. O nome da linha: Success by Trump.

Uma estrela do cinema e da televisão

Consultando a página de Trump no IMDb ficamos a saber que tem 20 entradas como ator, a maior parte delas fazendo de si próprio. Os filmes Sozinho em Casa 2 e Zoolander, ou as séries O Príncipe de Bel-Air e Sabrina, a Bruxinha Adolescente são alguns dos trabalhos que fez.

Campeão de audiências do SNL

Em novembro de 2015, a participação de Trump no Saturday Night Live resultou numa audiência 9,3 milhões de pessoas, o melhor resultado do programa desde 21 de dezembro de 2013, com Justin Timberlake e Jimmy Fallon.

O candidato do Partido Reformista

Esta é a primeira vez que Trump chega ao boletim de voto de umas presidenciais, mas está longe de ser uma estreia nas aspirações de chegar à Casa Branca. No ano 2000, Trump entrou na corrida como candidato do Partido Reformista, tendo ganho as primárias na Califórnia e no Michigan.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.