Número dois do PSOE diz que cabe a Rajoy iniciativa para formar governo

César Luena não rejeita que os socialistas possam vir a formar governo, apesar de ter elegido 85 deputados, mas frisou que compete ao PP tomar a iniciativa

César Luena, número dois do PSOE, alertou hoje que o resultado dos socialistas espanhóis indica vontade de mudança contra as "políticas injustas, ineficazes e antissociais", mas que cabe ao PP a iniciativa de formar Governo.

Luena, membro da Organização do PSOE, não rejeita que os socialistas possam vir a formar Governo, apesar de ter elegido 85 deputados, mas frisou que compete a Mariano Rajoy (líder do PP) tomar a iniciativa, porque o Partido Popular foi a força política que venceu as eleições legislativas de domingo.

Luena insistiu que ao conquistar 137 deputados, o líder do PP "tem a obrigação e a responsabilidade" de tentar tomar posse, tal como como aconteceu após as eleições legislativas de dezembro do ano passado.

"Vamos passo a passo, mas - deste resultado - pode-se concluir que quem tem de tomar a iniciativa é Rajoy. O PSOE é o primeiro partido de esquerda e uma alternativa, mas somos o segundo partido", admitiu o secretário da Organização dos socialistas espanhóis.

O responsável acrescentou que o PSOE vai agir com "muitíssima prudência e respeito" porque, afirmou, tem consciência de que os espanhóis querem que o partido esteja "à altura das circunstâncias".

"Primeiro está a situação política e institucional do país e só depois o partido", frisou.

O secretário da Organização do PSOE concorda com o líder, Pedro Sanchez, sobre o resultado eleitoral dos socialistas, indicando que "no plano geral" não foi bom, muito menos nas comunidades autónomas, como na Andaluzia, onde venceu o Partido Popular.

No plano interno, Luena disse que "não há nenhum motivo" para Pedro Sanchéz não se apresentar no próximo congresso do PSOE para ser reeleito secretário-geral, como tinha anunciado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".