Número de mortos sobe para 72, 30 pessoas continuam desaparecidas

Depressão tropical que atingiu norte e centro do Vietname está na origem da tragédia.

As autoridades do Vietname elevaram esta segunda-feira para 72 o número de mortos nas cheias e aluimentos de terra, causados na passada semana.

Uma depressão tropical que atingiu o norte e centro do país está na origem da tragédia, em que pelo menos 30 pessoas continuam desaparecidas, indicou a Autoridade de Gestão de Desastres vietnamita.

O Vietname prepara-se agora para receber a tempestade tropical Khanun, sobretudo a região nordeste do país, que deverá registar fortes chuvas ao fim do dia.

O Khanun, que afetou Macau no domingo, causando apenas pequenos danos, deverá enfraquecer para depressão tropical no golfo Tonkin.

Na província de Yen Bai (norte), onde estão confirmados 15 mortos, cerca de quatro mil soldados, polícias, milicianos e residentes procuram 13 pessoas que continuam desaparecidas, disse o responsável Nguyen Thi Lien.

Muitas localidades continuam isoladas devido aos aluimentos de terras e acessos, como pontes, destruídos, naquele que foi já considerado um dos piores desastres naturais dos últimos anos.

Mais de mil casas ficaram parcial ou totalmente destruídas e 16.740 encontram-se submersas devido à depressão tropical que causou fortes chuvas, danificando infraestruturas do norte e centro do país.

Mais de 230 mil animais morreram e as inundações danificaram mais de 22 mil hectares de colheitas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.