Número de mortos na queda de viaduto em Génova sobe para 43

O número de vítimas da queda do viaduto na cidade italiana de Génova subiu para 43.

Os meios de comunicação italianos atualizaram para 43, o número de mortos devido à queda do viaduto de Génova, Na manhã deste sábado, os bombeiros encontrarem entre os blocos de cimento um veículo com três pessoas, um casal e a filha de nove anos.

Segundo os meios de comunicação locais, os corpos têm que ser ainda identificados, mas acredita-se que possa ser a família Cecala, da qual não havia notícias desde a passada terça-feira, quando um troço de cerca de 100 metros da ponte Morandi ruiu.

Estas três vítimas somam-se às 38 identificadas até ao momento, entre as quais se encontram três crianças, permanecendo ainda dois desaparecidos, segundo os dados da Proteção Civil.

O carro foi encontrado completamente esmagado por um enorme bloco de cimento que formava parte do pilar que desabou, na margem esquerda do rio Polcevera.

Funeral de Estado

Itália cumpre hoje um dia de luto nacional e será celebrado um funeral de Estado por todas as vítimas, presidido pelo cardeal e arcebispo de Génova, Ángelo Bagasco, e com a presença do Presidente da República, Sergio Mattarella, e do primeiro ministro, Giuseppe Conte.

Um funeral envolto em polémica, já que 20 das famílias das vítimas decidiram não participar nas exéquias públicas e preferiram uma cerimónia privada.

No local do acidente, as equipas de resgate continuam à procura de vítimas nos escombros.

Na quinta-feira, o procurador da cidade italiana de Génova, Francesco Cozzi, admitiu que poderão existir 10 a 20 pessoas ainda soterradas nos escombros.

O Governo de Itália já admitiu que será "inevitável" que o número de mortos aumente à medida que os trabalhos de resgate prosseguem no terreno.

Entre os 15 feridos contabilizados, 10 ainda permaneciam hospitalizados na sexta-feira, dos quais seis em estado grave.

O executivo italiano exigiu a demissão da direção da empresa Autostrade per l'Italia, filial da Atlantia e responsável pela gestão da ponte Morandi, bem como atribuiu parte da responsabilidade da tragédia às restrições orçamentais impostas pela União Europeia (UE).

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.