Número de mortos em Porto Rico devido ao furacão Maria sobe para 62

O anterior balanço divulgado no passado dia 30 de novembro dava conta de 58 mortos

Pelo menos 62 pessoas morreram em Porto Rico na sequência da passagem do furacão Maria em setembro passado, divulgaram hoje as autoridades locais daquele território norte-americano, após terem sido contabilizadas mais quatro vítimas mortais.

O anterior balanço divulgado no passado dia 30 de novembro dava conta de 58 mortos.

As novas vítimas contabilizadas foram mortes que ocorreram após o furacão Maria e que estavam pendentes da análise ou revisão de relatórios médicos, segundo explicou o secretário do Departamento de Segurança Pública de Porto Rico, Hector Pesquera.

"Com estes casos são 62 as mortes relacionadas direta ou indiretamente com o furacão Maria. Este processo de avaliação e investigação ainda não está concluído", explicou o representante, que voltou a pedir à população local para que comunique qualquer informação que considere relevante para a investigação em curso.

A 21 de novembro, o Departamento de Segurança Pública pediu às funerárias de Porto Rico que comunicassem possíveis mortes causadas pelo ciclone, depois de meios de comunicação social terem indicado a existência de 499 mortos, nove vezes mais que o número oficial, então de 55 mortos.

O pedido surgiu depois de a cadeia norte-americana CNN ter divulgado que 112 funerárias de Porto Rico -- cerca de metade das existentes na ilha -- identificarem 499 mortos, entre 20 de setembro e 19 de outubro, relacionados com a passagem do furacão Maria.

A 20 de setembro, o furacão Maria de categoria 4 (numa escala em que a categoria 5 é o nível máximo) deixou um rasto de devastação naquele território norte-americano nas Caraíbas.

Uma grande parte da população ficou sem eletricidade, sem acesso a água potável ou combustível e muitas pessoas perderam as respetivas casas e ainda não têm um local para viver.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.