Número de mortos em Porto Rico devido ao furacão Maria sobe para 62

O anterior balanço divulgado no passado dia 30 de novembro dava conta de 58 mortos

Pelo menos 62 pessoas morreram em Porto Rico na sequência da passagem do furacão Maria em setembro passado, divulgaram hoje as autoridades locais daquele território norte-americano, após terem sido contabilizadas mais quatro vítimas mortais.

O anterior balanço divulgado no passado dia 30 de novembro dava conta de 58 mortos.

As novas vítimas contabilizadas foram mortes que ocorreram após o furacão Maria e que estavam pendentes da análise ou revisão de relatórios médicos, segundo explicou o secretário do Departamento de Segurança Pública de Porto Rico, Hector Pesquera.

"Com estes casos são 62 as mortes relacionadas direta ou indiretamente com o furacão Maria. Este processo de avaliação e investigação ainda não está concluído", explicou o representante, que voltou a pedir à população local para que comunique qualquer informação que considere relevante para a investigação em curso.

A 21 de novembro, o Departamento de Segurança Pública pediu às funerárias de Porto Rico que comunicassem possíveis mortes causadas pelo ciclone, depois de meios de comunicação social terem indicado a existência de 499 mortos, nove vezes mais que o número oficial, então de 55 mortos.

O pedido surgiu depois de a cadeia norte-americana CNN ter divulgado que 112 funerárias de Porto Rico -- cerca de metade das existentes na ilha -- identificarem 499 mortos, entre 20 de setembro e 19 de outubro, relacionados com a passagem do furacão Maria.

A 20 de setembro, o furacão Maria de categoria 4 (numa escala em que a categoria 5 é o nível máximo) deixou um rasto de devastação naquele território norte-americano nas Caraíbas.

Uma grande parte da população ficou sem eletricidade, sem acesso a água potável ou combustível e muitas pessoas perderam as respetivas casas e ainda não têm um local para viver.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.