Nudez de casal que escalou ao topo de pirâmide escandaliza Egito

Ministro egípcio pediu investigação à procuradoria ao vídeo publicado nas redes sociais. Filmagem terá sido feita por fotógrafo dinamarquês que escalou o monumento com uma amiga

A procuradoria-geral do Egito está a investigar, a pedido do governo, um vídeo que foi divulgado nas redes sociais no qual um casal jovem escala uma das três pirâmides de Gizé e depois o homem e a mulher, nus, aparentemente fazem sexo no topo do monumento.

A agência de notícias estatal MENA indica que foi divulgado "um vídeo publicado por um fotógrafo dinamarquês em que surge a escalar a grande pirâmide durante a noite com a amiga e grava depois situações sexuais no final do mês passado". Terá sido publicado por um fotógrafo dinamarquês, identificado como Andreas Hvid, com a sua amiga Josephine Sarah, nas suas contas de Instagram e de YouTube. Já foram retiradas imagens e vídeo. Foi em 5 de dezembro que o fotógrafo publicou o vídeo na sua conta do YouTube e comentou na descrição que ele e a amiga escalaram a pirâmide de Quéops "temendo ser vistos por muitos guardas". Isto aconteceu, de acordo com Hvid, "no final de novembro de 2018", sem dar uma data precisa. A autenticidade do vídeo não foi ainda confirmada até ao momento.

O ministro egípcio de Antiguidades, Khaled al Anani, pediu para que "sejam tomadas as medidas necessárias" sobre o caso de um vídeo filmado por "um casal estrangeiro", além da publicação de uma fotografia que "atenta contra a moral". Esta medida foi anunciada em comunicado, após o assunto ter gerado escândalo no Egito.

No vídeo, de três minutos de duração, o casal escala durante a noite a pirâmide e, depois de atingir o topo, a mulher começa a tirar a roupa, ficando semi-nua. No final da filmagem, aparece uma imagem fixa do casal, totalmente nus, aparentemente a ter relações sexuais.

Na conta do Instagram do dinamarquês estão publicadas várias imagens tiradas do alto de edifícios e estruturas, incluindo uma em que surge aparece uma mulher semi-nua numa ponte em Budapeste.

Não é a primeira vez que há investigações a situações ocorridas nas três pirâmides de Gizé. Em 2015, o alemão Andrej Ciesielski foi detido e expulso do Egito por subir sem autorização uma das pirâmides. No ano passado, em março, a modelo belga Marisa Papen posou nua na esplanada de uma das pirâmides de Gizé e foi detida, no templo de Karnak, em Luxor, quando tirou a roupa noutra sessão de fotos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.