Novos dados revelam que o maior acidente de aviação da história foi evitado por 18 metros

Airbus da Air Canada abortou no último momento uma aterragem na pista errada, onde estavam quatro aviões a aguardar permissão para descolar

Podia ter sido a maior catástrofe da aviação, mas o acidente foi evitado por pouco. No mês passado, um Airbus A320 da Air Canada conseguiu nos últimos segundos evitar a aterragem numa pista do aeroporto de São Francisco onde quatro aviões cheios de passageiros aguardavam autorização para descolar. Sabe-se agora que a aeronave esteve a apenas 18 metros (59 pés) de aterrar na pista errada, conseguindo assim desviar-se por escassa distância do desastre.

Novos dados e fotografias, divulgados esta quinta-feira pelo organismo que regula a segurança dos transportes nos EUA ( National Transportation Safety Board, ou NTSB), mostram que o avião da Air Canada estava efetivamente a muito baixa altitude quando os pilotos foram instados a abortar a aterragem por não estarem a descer para o sítio certo.

Tudo aconteceu no dia 7 de julho: quando conseguiram observar a trajetória perigosa do voo da companhia canadiana, pilotos de um avião da United Airlines, que aguardavam permissão para levantar enquanto viam o A 320 dirigir-se perigosamente para eles, alertaram os controladores de tráfego aéreo, enquanto a tripulação do avião das Philippine Airlines, também no solo, ligou as luzes de aterragem, numa tentativa desesperada de avisar os pilotos da Air Canada.

Segundo os registos das conversas com a torre de controlo, percebe-se que a tripulação da Air Canada, que deveria aterrar na pista principal de acordo com a ordem que lhe fora transmitida pelos controladores, se dirige inadvertidamente para uma pista paralela onde se encontravam as quatro aeronaves a aguardar indicação para descolar.

Era perto da meia-noite e os pilotos questionaram a torre de controlo se era mesmo suposto prosseguirem com a aterragem. Os responsáveis respondem que sim, julgando que a tripulação se referia à pista principal, e só quando o avião da Air Canada quase toca na pista errada é que lhe é dada ordem para abortar a aterragem. Quinze minutos depois, o A320 aterrou em segurança já na pista certa.

Os investigadores ainda não determinaram a causa provável da ocorrência, que podia ter terminado no pior acidente da história da aviação. Mas a NTSB divulgou imagens que mostram a proximidade do avião da Air Canada ao solo e novos dados, nomeadamente que a aeronave esteve a apenas 18 metros de aterrar e, portanto, de colidir com os quatro aviões no chão.

Segundo o The Guardian, o avião estava tão fora de rota que não foi sequer detetado pelo sistema do aeroporto que analisa possíveis colisões na pista - problema que estará já a ser corrigido. A NTSB explicou ainda que os pilotos da Air Canada tinham muita experiência: o comandante tem mais de 20 mil horas de voo e o copiloto mais de 10 mil. Ambos terão dito aos investigadores que não têm memória de ter visto os outros aviões no solo ou a pista errada, mas que perceberam que algo não estava bem.

Os investigadores não conseguiram, porém, ter acesso à conversa entre os dois pilotos da Air Canada no cockpit, já que o sistema regista apenas as últimas duas horas de voo e o avião fez outra viagem logo na manhã seguinte, pelo que foram sobrepostas outras gravações.

A Air Canada, por seu lado, não quis comentar o incidente, alegando que está a decorrer uma investigação.

Ler mais

Exclusivos