Novo recorde. Mais de 76 mil migrantes passaram a fronteira do México com os EUA

Em fevereiro, o número de imigrantes ilegais que atravessaram a fronteira do México com os EUA mais do que duplicou face ao mesmo mês de 2018 e constitui um novo recorde nos últimos 12 anos.

No limite. É assim que as autoridades norte-americanas descrevem a atual situação na fronteira com o México. Só no mês de fevereiro 76 mil imigrantes ilegais cruzaram a fronteira com os EUA, mais do dobro em relação ao ano passado (36 751). Segundo os dados do serviço de Alfândega e Proteção fronteiriça dos EUA (CBP, na sigla em inglês) este número marca um novo máximo registado num mês em 12 anos.

"O sistema está muito além da sua capacidade e está num ponto crítico", admitiu na terça-feira Kevin McAleenan, comissário do CBP, em conferência de imprensa.

Trata-se "claramente da segurança nas fronteiras e uma crise humanitária", sublinhou McAleenan.

Dos 76 103 imigrantes que atravessaram a fronteira do México com os EUA no mês passado, 90% são provenientes da Guatemala. Kevin McAleenan explicou aos jornalistas que "muitas famílias guatemaltecas estão a recorrer a autocarros" e chegam à fronteira "em apenas quatro a sete dias de maneira bastante consistente".

Entre os imigrantes ilegais, mais de 7 mil eram menores desacompanhados

As Honduras são o segundo país com mais cidadãos a cruzar ilegalmente a fronteira com os EUA, passando à frente do México, afirmaram as autoridades norte-americanas.

Entre os imigrantes que cruzaram a fronteira, 40 325 estavam em família e 7249 eram menores desacompanhados. É a quarta vez nos últimos cinco meses o número de famílias de imigrantes ilegais bate um recorde.

McAleenan teme que o número de detenções na fronteira venha a aumentar nos próximos meses devido ao bom tempo que torna a travessia menos penosa. Atualmente, a situação que se vive na fronteira sul dos EUA está a tornar-se insustentável, com os centros de detenção a não terem capacidade para receber uma média de 2200 imigrantes por dia.

Segundo o mesmo responsável, chegam diariamente imigrantes "com doenças e com várias condições médicas num nível sem precedentes". Os agentes da fronteiras estão a transferir todos os dias uma média de 55 pessoas para unidades hospitalares, acrescentou McAleenan.

Números que contrariam a política contra a imigração do presidente dos EUA, Donald Trump, que mantém o objetivo de construir um muro ao longo da fronteira com o México.

De acordo o New York Times, mais de 50 mil pessoas estão atualmente detidas, o maior número de sempre.

ONU preocupada com as medidas restritivas à imigração dos EUA

A Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet expressou esta quarta-feira preocupação sobre as novas medidas dos Estados Unidos que restringem a imigração de cidadãos na América Central.

Bachelet disse que o Protocolo de Proteção de Migrantes (MPP) dos Estados Unidos, em vigor desde janeiro, "restringe o acesso ao asilo e a outras formas de proteção de direitos humanos e obriga os migrantes a esperarem do outro lado da fronteira pelos trâmites dos processos sem os procedimentos e as salvaguardas exigidas".

Michelle Bachelet, que apresentou esta quarta-feira o relatório anual sobre os direitos humanos, em Genebra, recordou as frequentes separações de pais e filhos migrantes detidos nos Estados Unidos sublinhando que milhares de crianças são afetadas pelas medidas impostas pelas autoridades norte-americanas.

Bachelet disse que os grupos de imigrantes de El Salvador, Guatemala e Honduras que se dirigem para os Estados Unidos refletem o "fracasso" das políticas de desenvolvimento, com "violações dos direitos que acabam por provocar profundas desigualdades".

Sobre o mesmo assunto, a Alta Comissária elogiou as iniciativas do México sobre a imigração frisando que o governo mexicano "está a esforçar-se para mudar as políticas que previam a detenção e deportação de migrantes centrando-se agora na proteção dos direitos, incluindo oportunidades de regularização".

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.