Tomada de posse sem Bíblia e com "conselho de ministras e ministros"

Executivo liderado pelo socialista Pedro Sánchez tem onze mulheres e seis homens.

Os dezassete ministros espanhóis, onze mulheres e seis homens, que formam o Executivo socialista de Pedro Sanchéz tomaram hoje posse perante o chefe de Estado, o rei Filipe VI, no Palácio da Zarzuela, em Madrid.

A cerimónia decorreu, pela primeira vez, sem símbolos religiosos, como a Bíblia ou um crucifixo, tal como aconteceu na tomada de posse de Sanchéz no passado sábado. Os juramentos foram feitos perante um exemplar da Constituição espanhola.

Os presidentes do Congresso, do Senado, do Tribunal Constitucional e do Supremo Tribunal estiveram presentes no Salão de Audiências na tomada de posse do novo governo que, na história de Espanha, regista o maior número de mulheres.

Por causa disso, muitos ministros inovaram na declaração, prometendo manter em segredo as deliberações do "conselho de ministras e ministros". A fórmula foi dita primeiro pela vice-presidente do governo, Carmen Calvo, que é também ministra da Igualdade, sendo repetida depois por outros ministros.

Segue-se a passagem das pastas nos respetivos ministérios, entre os ex-governantes do Partido Popular e os novos do PSOE.

Pedro Sanchéz torna-se chefe do governo na sequência da queda do governo do Partido Popular chefiado por Mariano Rajoy que foi alvo de uma moção de censura votada na passada sexta-feira.

O PSOE apresentou a moção de censura na sequência da sentença do Caso Gurtel que condenou um ex-tesoureiro do PP e o próprio partido como instituição.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.