Novo balanço de naufrágio confirma a morte de pelo menos 35 migrantes

O anterior balanço do naufrágio dava conta de 11 mortos.

Os corpos de 35 migrantes foram recuperados do mar e 68 pessoas foram resgatadas, indicou hoje um novo balanço oficial de um naufrágio ocorrido no sul da Tunísia na noite de sábado para domingo.

O anterior balanço do naufrágio dava conta de 11 mortos.

Na noite de sábado para domingo, uma embarcação precária em dificuldades com um número indeterminado de migrantes a bordo foi avistada ao largo da costa da província de Sfax, no sul da Tunísia, informou inicialmente o Ministério do Interior tunisino.

Desde então, até "às 13:00 hora local (a mesma hora em Lisboa), 35 corpos foram recuperados e 68 migrantes foram socorridos", precisou, em declarações à agência noticiosa francesa France Presse (AFP), um porta-voz do Ministério da Defesa, Rachid Bouhoula, algumas horas depois das primeiras informações.

A identidade das vítimas mortais não é conhecida até ao momento.

Entre os migrantes resgatados estão tunisinos e sete cidadãos oriundos da Costa do Marfim, Mali, Marrocos e Camarões, segundo acrescentou o mesmo porta-voz.

"A guarda costeira e a Marinha continuam com as buscas com o apoio de um avião militar", referiu um comunicado divulgado pelo Ministério do Interior tunisino.

O mesmo ministério precisou que as autoridades tunisinas receberam um pedido de ajuda no sábado, por volta das 22:45 hora local (a mesma hora em Lisboa), de uma embarcação de pesca que estava a afundar-se ao largo de Kerkennah "com migrantes a bordo".

"Unidades da guarda marítima de Sfax e da Marinha nacional tunisina deslocaram-se para junto da embarcação que estava a cinco milhas náuticas da Ilha de Kerkennah e a 16 milhas náuticas" de Sfax, a segunda maior cidade da Tunísia, de acordo com a mesma nota informativa do Ministério do Interior tunisino.

Os tunisinos tentam frequentemente atravessar o Mediterrâneo em direção a Itália, à procura de uma entrada para a Europa e de uma vida com melhores condições. Segundo várias organizações não-governamentais (ONG), esta situação reflete a insatisfação vivida por muitos jovens tunisinos, muitos deles afetados pelo desemprego.

Em março último, 120 pessoas, a maioria oriunda da Tunísia, que estavam a tentar alcançar, de forma clandestina, as costas italianas foram resgatadas pela Marinha tunisina.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.