Novo balanço de naufrágio confirma a morte de pelo menos 35 migrantes

O anterior balanço do naufrágio dava conta de 11 mortos.

Os corpos de 35 migrantes foram recuperados do mar e 68 pessoas foram resgatadas, indicou hoje um novo balanço oficial de um naufrágio ocorrido no sul da Tunísia na noite de sábado para domingo.

O anterior balanço do naufrágio dava conta de 11 mortos.

Na noite de sábado para domingo, uma embarcação precária em dificuldades com um número indeterminado de migrantes a bordo foi avistada ao largo da costa da província de Sfax, no sul da Tunísia, informou inicialmente o Ministério do Interior tunisino.

Desde então, até "às 13:00 hora local (a mesma hora em Lisboa), 35 corpos foram recuperados e 68 migrantes foram socorridos", precisou, em declarações à agência noticiosa francesa France Presse (AFP), um porta-voz do Ministério da Defesa, Rachid Bouhoula, algumas horas depois das primeiras informações.

A identidade das vítimas mortais não é conhecida até ao momento.

Entre os migrantes resgatados estão tunisinos e sete cidadãos oriundos da Costa do Marfim, Mali, Marrocos e Camarões, segundo acrescentou o mesmo porta-voz.

"A guarda costeira e a Marinha continuam com as buscas com o apoio de um avião militar", referiu um comunicado divulgado pelo Ministério do Interior tunisino.

O mesmo ministério precisou que as autoridades tunisinas receberam um pedido de ajuda no sábado, por volta das 22:45 hora local (a mesma hora em Lisboa), de uma embarcação de pesca que estava a afundar-se ao largo de Kerkennah "com migrantes a bordo".

"Unidades da guarda marítima de Sfax e da Marinha nacional tunisina deslocaram-se para junto da embarcação que estava a cinco milhas náuticas da Ilha de Kerkennah e a 16 milhas náuticas" de Sfax, a segunda maior cidade da Tunísia, de acordo com a mesma nota informativa do Ministério do Interior tunisino.

Os tunisinos tentam frequentemente atravessar o Mediterrâneo em direção a Itália, à procura de uma entrada para a Europa e de uma vida com melhores condições. Segundo várias organizações não-governamentais (ONG), esta situação reflete a insatisfação vivida por muitos jovens tunisinos, muitos deles afetados pelo desemprego.

Em março último, 120 pessoas, a maioria oriunda da Tunísia, que estavam a tentar alcançar, de forma clandestina, as costas italianas foram resgatadas pela Marinha tunisina.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.