Novo balanço aponta 512 mortos em ataque de outubro em Mogadíscio

Camião armadilhado explodiu em Mogadíscio. Há ainda 295 feridos

Um novo balanço aponta para 512 mortos na sequência do atentado de 14 de outubro na Somália, quando um camião armadilhado explodiu em Mogadíscio, anunciou hoje um comité que trabalha com as vítimas deste ataque.

"O número de pessoas afetadas por este ataque é de "869, das quais 512 morreram e 295 ficaram feridas. Há mais de 60 pessoas que não sabemos se estão mortas ou estão desaparecidas", disse hoje Abdulahi Mohamed Shirwac, presidente do Comité de Operações de Emergência da Somália, à agência de notícias francesa AFP.

O último balanço, divulgado no fim de outubro, referia que o atentado provocara 358 mortes.

O atentado não foi reivindicado, mas as autoridades não têm dúvidas de que o grupo extremista al-Shabab está por trás deste ataque.

O comité, com 11 membros, foi criado em outubro após este ataque em Mogadíscio.

O grupo al-Shabab, ligado à Al-Qaida, ainda controla grandes áreas rurais na Somália. Estes rebeldes lideram muitas vezes ataques contra hotéis e restaurantes na capital.

Os Estados Unidos intensificaram as suas operações na Somália nas últimas semanas, acelerando significativamente o ritmo dos seus ataques com drones contra os rebeldes locais, do al-Shabab e do Estado Islâmico. Estes ataques são agora quase diários.

No final de março, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ampliou os poderes conferidos aos militares norte-americanos para realizar ataques no país do Corno de África, minado pelos guerrilheiros do al-Shabab, que juraram derrubar o frágil governo central, apoiado pela comunidade internacional e pelos 22 mil homens da força da União Africana (Amisom).

Desde então, o Pentágono expandiu a sua luta contra o Estado Islâmico em todos os países onde os rebeldes encontram refúgio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...