Novo ataque evitado em França. Dois irmãos egípcios detidos

Suspeitos estavam ligados ao sistema de mensagens Telegram

Um novo ataque terrorista foi evitado pelas autoridades em França e dois irmãos de origem egípcia foram presos, anunciou hoje o ministro do Interior francês, Gerard Collomb.

"Dois jovens de origem egípcia estavam a preparar-se para cometer um ataque, com explosivo ou ricina, esse veneno (...) muito forte", disse o ministro no canal BFMTV.

O ministro não deu mais pormenores sobre onde os dois irmãos foram detidos nem onde estariam a preparar o ataque.

Relativamente a estes aspetos, o governante limitou-se a dizer que as forças da ordem seguem uma série de indivíduos e que, no caso destes dois irmãos, estavam ligados ao sistema de mensagens Telegram.

O anúncio surge quase uma semana depois do ataque jihadista em Paris que matou uma pessoa e feriu outras cinco.

Questionado sobre o ataque jihadista do passado sábado em Paris, Collomb aludiu às suspeitas de que Abdul Hakim A., amigo do terrorista que cometeu o ataque, Khamzat Azimov, tinha ligações com duas mulheres, que acabaram detidas na quinta-feira na região de Paris.

Abdoul Hakim A. foi detido no domingo e foi acusado deste ataque pelas autoridades.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.