Nove caçadores furtivos acusados de matar piloto britânico

Homens têm entre os 28 e 50 anos podem ser condenados à morte

O piloto britânico Roger Gower morreu quando tentava apanhar um grupo de caçadores furtivos que matavam elefantes na Tanzânia. O piloto foi atingido por disparos de uma AK47 e o helicóptero acabou por se despenhar. Nove homens são agora acusados do assassinato do piloto.

Niles Gunga tem 29 anos e terá alegadamente sido ele a disparar, atingindo o piloto. O homem negou a acusação. O Daily Mail avança ainda que Gunga é acusado de ter na sua posse marfim no valor de 15 mil dólares (cerca de 13 600 euros), de fazer uma carreira a matar elefantes e de trabalhar com outros caçadores furtivos para vender o marfim a outros grupos.

Os restantes acusados têm entre os 28 e os 50 anos e caso sejam considerados culpados podem ser condenados à pena de morte. 15 soldados foram destacados para garantir a segurança no tribunal onde os suspeitos ouviram a acusação.

As investigações ainda prosseguem, mas o advogado do ministério público acredita numa condenação: "O caso não será difícil. Estamos confiantes que vamos conseguir uma condenação." Yamiko Mlekano acrescentou, citado pelo Daily Mail, que ainda estão "a procurar provas de ADN e de balísitica".

No dia em questão, dois elefantes tinham sido encontrados mortos quando Roger Gower partiu com a missão de tentar encontrar os caçadores furtivos. Ao ver um terceiro animal morto, o piloto voltou para trás para investigar e foi quando foi atingido na perna, ombro e olho. Ainda assim, conseguiu manobrar o helicóptero de forma a permitir que o homem que viajava com ele conseguisse saltar e sobreviver.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.