Nova Zelândia: polícia já identificou as 50 vítimas mortais

O país cumprirá dois minutos de silêncio pelas vítimas e irá ainda transmitir na televisão e rádio pública uma oração de apoio à comunidade muçulmana, esta sexta-feira.

A polícia da Nova Zelândia anunciou esta quinta-feira que já identificou todas as 50 vítimas mortais do duplo ataque às mesquitas de Christchurch, na passada sexta-feira.

"Posso informar que, nos últimos minutos, o processo de identificação das 50 vítimas foi concluído e todas as famílias foram notificadas", afirmou o comissário Mike Bush. "Este é um ponto de viragem neste processo", disse.

O anúncio foi feito minutos depois de a primeira-ministra, Jacinda Ardern, ter anunciado a proibição da venda de todas as armas de assalto e semiautomáticas, em resposta ao ataque terrorista.

"A Nova Zelândia vai proibir todas as armas semiautomáticas de estilo militar. Vamos também proibir as armas de assalto", declarou Ardern, acrescentando que a nova legislação vai entrar em vigor já no próximo mês. A primeira-ministra garantiu ainda que vão ser tomadas medidas para evitar uma corrida às armas antes da entrada em vigor da proibição de venda.

Na sexta-feira, uma semana após o ataque, o país cumpre dois minutos de silêncio pelas vítimas e, no mesmo dia, está prevista a transmissão, na rádio e televisão públicas, da chamada à oração, num gesto de apoio à comunidade muçulmana.

"Queremos mostrar o nosso apoio à comunidade muçulmana, no regresso às mesquitas, particularmente esta sexta-feira", afirmou a primeira-ministra, em conferência de imprensa.

Brenton Tarrant, um australiano nacionalista branco de 28 anos, reivindicou a responsabilidade pelos ataques às mesquitas Al Noor e Linwood, na terceira maior cidade da Nova Zelândia.

Além de divulgar um manifesto anti-imigrantes de 74 páginas, Tarrant transmitiu em direto na Internet o momento do ataque.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.