Nova Zelândia proíbe venda de casas a estrangeiros

Em algumas partes do país, registou-se em quatro anos um aumento de 75% no preço das casas

É assim, nem mais nem menos. Os estrangeiros já não podem comprar casa na Nova Zelândia. A medida radical surge devido ao aumento exponencial dos preços das casas, que em algumas partes do país chegou aos 75% em quatro anos, devido ao investimento estrangeiro. Valores incomportáveis para os habitantes locais. A decisão já está a suscitar polémica, com vozes críticas que consideram a nova lei "xenófoba". "Não devemos ser inquilinos na nossa própria terra", argumentou o ministro das Finanças, David Parker no parlamento.

A lei foi aprovada e cumpre assim uma das promessas eleitorais da primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinta Ardern, do Partido Trabalhista, que em outubro anunciou a proibição de venda de casas já construídas a estrangeiros, de modo a travar o aumento dos preços da habitação.

A nova lei quer ser um travão à especulação imobiliária promovida pelo investimento estrangeiro e tornar a compra de casa mais acessível para os habitantes locais

Em entrevista ao The Guardian, o ministro das Finanças argumenta que a medida vai beneficiar os neozelandeses. "Acreditamos que o mercado de casas e fazendas da Nova Zelândia deve ser estabelecido por compradores da Nova Zelândia e não por compradores estrangeiros", defendeu, assegurando que a nova lei tem como objetivo beneficiar os neozelandeses "que pagam impostos aqui, têm famílias aqui".

A nova lei quer ser um travão à especulação imobiliária promovida pelo investimento estrangeiro e tornar a compra de casa mais acessível para os habitantes locais.

Com esta medida, o governo pretende proibir a aquisição de casas já construídas a quem não tem cidadania neozelandesa ou residência no país, à exceção dos cidadãos da Austrália e de Singapura, devido a um regime de livre comércio entre os países.

Com esta nova legislação, os cidadãos estrangeiros podem, no entanto, adquirir apartamentos em grandes empreendimentos.

Os preços da habitação em Auckland subiram 75% nos últimos quatro anos

"Quer se trate de uma bela propriedade à beira do lago ou à beira-mar, ou uma modesta casa suburbana, esta lei garante que o mercado para as nossas casas se situa na Nova Zelândia e não no mercado internacional", garantiu o ministro das Finanças, David Parker.

Os preços inacessíveis para muitos neozelandeses refletem-se nas estatísticas, com apenas um quarto dos adultos a ter a sua própria casa e o número dos sem-abrigo a aumentar. Uma crise habitacional que levou neozelandeses a morar em tendas e garagens devido ao aumento dos preços das casas.

De acordo com um estudo do Economist, em 2017, citado pelo The Guardian, a Nova Zelândia tinha os preços imobiliários mais inacessíveis do mundo, com os preços em Auckland a subir 75% nos últimos quatro anos.

Só no último trimestre, 10% das casas no distrito de Queenstown Lakes e 20% das casas no centro de Auckland foram compradas por estrangeiros, disse David Parker.

Cofundador do PayPal e ex-apresentador da NBC compraram casa na Nova Zelândia

Entre os cidadãos estrangeiros que compraram casa está o cofundador da PayPal, o norte-americano Peter Thiel, que, em 2015, adquiriu uma luxuosa propriedade no cenário paradisíaco de Lake Wanaka. Thiel não está contemplado nesta nova lei, uma vez que adquiriu a cidadania neozelandesa, o que motivou protestos do Partido Trabalhista quando estava na oposição.

O antigo apresentador do "The Today Show", da NBC, Matt Lauer, é outra das personalidades que decidiu comprar casa na Nova Zelândia. De acordo com o The Wall Street Journal , o norte-americano pagou no ano passado 9 milhões de dólares (cerca de 8 milhões de euros) para arrendar uma propriedade rural com mais de 16 hectares.

A lei agora aprovada no parlamento está inserida no plano do executivo de Jacinta Ardern em tornar mais acessível a aquisição de casas para os neozelandeses e inclui também a construção de mais de 100 mil moradias a preços acessíveis ao longo de uma década. O governo pretende ainda aumentar o número de habitação social em 64 mil moradias em quatro anos.

Proibir estrangeiros em adquirir casas na Nova Zelândia está, no entanto, a ser contestada. Amy Adams, do Partido Nacional, considera a proibição "xenófoba" e afirma que já se está a refletir na confiança dos empresários que caiu para o nível mais baixo desde 2008. Adams olha para esta lei não como a forma de melhorar o mercado imobiliário da Nova Zelândia, mas sim como um novo problema.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.