Nova Iorque é a primeira cidade a limitar empresas como a Uber

O aumento da taxa de suicídios entre os taxistas tradicionais e os engarrafamentos gigantescos diários para entrar em Nova Iorque são algumas das razões.

Nova Iorque vai ser a primeira cidade norte-americana a limitar a circulação de veículos de empresas como a Uber e isso poderá acontecer já esta quinta-feira. Entre as razões está uma inesperada, a de ter aumentado a taxa de suicídio entre os motoristas de táxi tradicionais, os Yellow Cab.

Segundo as notícias publicadas na imprensa nova-iorquina, o anúncio destas medidas pelos responsáveis autárquicos de Nova Iorque na última sexta-feira gerou de imediato uma onda de protestos por parte de empresas como a Uber, que alertaram para os efeitos imediatos ao limitar-se a circulação deste tipo de transportes e avisaram que entre os mais afetados estão os passageiros que se movimentam em Manhattan e no centro da cidade, bem como os moradores da periferia.

O anúncio que a Aliança dos Taxistas de Nova Iorque aplaudiu, como refere a agência noticiosa Reuters, contém cinco medidas que devem ser aprovadas no próximo dia 8 pelo Conselho Camarário, que considera serem benéficas para a redução do congestionamento do tráfego. O mesmo conselho justifica esta tomada de medidas para diminuir as filas para a entrada na cidade com uma outra bastante impopular, a interrupção da concessão de novas licenças para a Uber e empresas semelhantes, que consideram estar a operar sem vigilância.

Estas medidas afetam bastante os filiados na Uber, que têm no mercado americano o maior entre todos os países onde estão presentes. Para evitar que o processo avance, a empresa enviou um e-mail a cerca de cinco milhões de nova-iorquinos na passada sexta-feira, a alertar para as consequências desta medida.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.