"Nós só matamos negros", disse polícia norte-americano em operação Stop

Comentário foi capturado em vídeo e o agente da polícia da Geórgia reformou-se antes de ser despedido.

Um polícia norte-americano que estava a ser alvo de uma investigação, por dizer à passageira de um carro que mandara parar que não dispararia contra ela porque ela não era negra, anunciou que se vai reformar.

"Lembre-se, nós só matamos negros", disse o tenente Greg Abbott, do condado de Cobb, num vídeo captado pela câmara no tablier do carro de patrulha. "Nós só matamos negros, certo?"

As declarações surgem depois de o agente ter mandado parar um veículo por suspeitar que o condutor estava a conduzir embriagado. A troca de palavras foi contudo com a passageira, depois de lhe dizer que podia usar o telemóvel. "Está no seu colo." Mas a mulher disse-lhe que estava com medo de mover as mãos, porque viu "demasiados" vídeos sobre a forma como a polícia atuava. "Mas você não é negra", respondeu-lhe Abbott. "Lembre-se, nós só matamos negros. Sim. Nós só matamos negros, certo?".

O vídeo foi filmado em julho de 2016, mas só agora transmitido pela estação de televisão WSB-TV. Seguiu-se a abertura de um inquérito, com o agente a ser colocado de licença. Depois, o chefe da polícia anunciou que iria empreender ações para o demitir, mas simultaneamente Abbott enviou um e-mail anunciando a sua reforma. Estava há 28 anos na polícia.

O advogado do agente argumentou que ele só tinha dito aquilo para acalmar a mulher. "Ele estava a tentar resolver sem problemas uma situação que envolvia um passageiro que não estava a cooperar", indicou Lance LoRusso, citado pela imprensa norte-americana.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.