"Nós queremos Trump"? Presidente americano usa informação falsa para apoiar 'coletes amarelos'

Donald Trump publicou um tweet onde diz que os manifestantes em França protestam contra o Acordo de Paris e que gritam o seu nome, tendo por base um vídeo gravado em Inglaterra a meio do ano

"O Acordo de Paris não está a correr assim tão bem para Paris. Protestos e tumultos por toda a França". Foi desta forma que o presidente dos Estados Unidos da América começou um tweet publicado este sábado sobre as manifestações dos 'coletes amarelos' em França, que Donald Trump associa claramente a protestos contra as medidas para travar as alterações climáticas. Um acordo que Trump rasgou depois de chegar ao poder, por duvidar das conclusões científicas que o suportam.

Agora, o presidente dos EUA elogia e utiliza os protestos em França, que começaram há um mês motivados pela criação de um imposto sobre os combustíveis e que se converteram num ataque ao presidente Macron, para fortalecer os seus próprios argumentos. "As pessoas não querem pagar somas enormes de dinheiro, grande parte para países do terceiro mundo (que têm lideranças questionáveis), para talvez proteger o ambiente", defendeu Trump, que acaba a sua mensagem a dizer que os manifestantes em Paris gritam "Nós queremos Trump" e a declarar o seu amor a França.

Os boatos de que 'coletes amarelos' pedem um líder como o americano não são de hoje, já tinham sido espalhados em protestos nas semanas anteriores. Aparentemente, Donald Trump baseia as suas afirmações numa mensagem de Charlie Kirk, um ativista de direita que fundou em 2012 a Turning Point USA, uma organização para ensinar aos jovens os "verdadeiros valores do mercado livre".

No início desta semana, Kirk publicou no Twitter uma mensagem onde acusava a comunicação social de encobrir a "rebelião da classe média contra o marxismo cultural", dizendo que a "Europa está a arder" e que nas ruas de Paris se ouvia "Nós queremos Trump". Frase que o presidente Trump partilhou com os seus 56 milhões de seguidores e que Charlie Kirk repetiu num artigo de opinião publicado esta sexta-feira na Fox News, onde volta a afirmar que "alguns dos protestantes franceses foram ouvidos a cantar 'Nós queremos Trump'".

A questão, como explica por exemplo o serviço de fact checking da France Press, é que Kirk, tal como outros media e o próprio Trump, parecem ir beber a um vídeo gravado a meio deste ano em Inglaterra, numa ação de protesto da extrema-direita. Um facto, aliás, que dezenas de pessoas fizeram questão de notar em comentários ao tweet do presidente americano, onde aproveitam para garantir que não se ouvem hoje elogios a Trump em Paris.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.