Nos guetos onde os imigrantes se sentem estigmatizados

Em algumas áreas urbanas daquele país nórdico designadas oficialmente por "guetos" há residentes que se sentem estigmatizados e excluídos da sociedade. Governo tem desde março plano para fomentar a integração.

A Dinamarca é o único país a classificar formalmente algumas zonas residenciais como guetos. Uma área encaixa nesta categoria se mais de metade dos habitantes forem originários de países não ocidentais e se se cumprir outros critérios, tais como ter uma taxa de desemprego acima dos 40%.

"Quando os jornalistas vêm aqui quero falar sobre as coisas boas, mas eles não estão interessados. Estão interessados em gangues, conflitos e guetos. Deixa-me triste", explica Salim El-Chahabi, um palestiniano que veio para a Dinamarca em 1999 e trabalha como coordenador laboral em Mjolnerparken, um gueto de Copenhaga. Só umas poucas pessoas provocam o caos, o resto dos habitantes são pessoas boas, educadas e próximas da família. Infelizmente, umas poucas pessoas estragaram tudo para nós."

Há décadas que a Dinamarca procura a melhor forma de integrar os seus imigrantes no Estado social. O debate público intensificou-se em 2015 com a chegada de grandes grupos de refugiados vindos do Médio Oriente e do Norte de África. O Partido Popular Dinamarquês, anti-imigração, tornou-se a segunda maior formação no Parlamento nesse ano.

No passado mês de março, o primeiro-ministro Lars Lokke Rasmussen, do Partido Liberal, anunciou um plano destinado a fomentar a integração dos imigrantes e a eliminar os guetos - uma palavra que é igual em dinamarquês - até 2030. As medidas incluem proibir criminosos de se mudarem para estas áreas, duplicando as penas a quem cometer um crime num gueto, e destruindo algumas zonas antes de as voltar a construir.

O plano foi recebido de forma mista em Mjolnerparken, no centro de Copenhaga, um dos 25 guetos dinamarqueses - um termo com origens na Veneza do século XVI e usado para descrever certas áreas da cidade às quais os judeus estavam confinados.

Alguns residentes de Mjolnerparken acham que o plano do governo pode melhorar as suas comunidades ao reduzir o crime e aumentar as perspetivas de emprego, mas outros temem que simplesmente aprofunde as divisões ao criar sociedades paralelas onde se aplicam regras diferentes. "Vai ajudar, sim, mas acredito que também vai ter efeitos negativos", afirma El--Chahabi, de 50 anos.

A Dinamarca designa oficialmente algumas áreas como guetos desde 2010, locais onde identifica ser necessário dar mais atenção à integração dos residentes. "A descrição oficial faz que as crianças se associem a uma vida de crime e dinheiro rápido", garante Khosrow Bayet, de 55 anos e origem iraniana, que veio para a Dinamarca há mais de três décadas e lidera o Sjakket, um clube de ocupação de tempos livres para as crianças das escolas dos guetos de Copenhaga.

Em Mjolnerparken, assim chamado em homenagem ao martelo do rei Thor, Mjolnir, mais de quatro em cada cinco residentes têm origens não ocidentais e quase metade não tem emprego.

"Fui a um médico quando era mais jovem com uma dor de costas e ele perguntou se o meu marido me espancava, e eu exclamei: "Claro que não!"", explica Umm-Meyounah, de 37 anos e mãe de duas crianças. Dinamarquesa, esta casou-se com um imigrante do Médio Oriente. "É com isto que temos de lidar o tempo todo. Passamos o tempo a explicar que não somos espancadas em casa e que não somos terroristas."

Jornalista da Reuters

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.