Noruega junta-se a outros oito países europeus que vão receber migrantes do Lifeline

Navio encontra-se retido em Malta. Capitão foi interrogado durante a noite

A Noruega juntou-se esta quinta-feira aos oito países da União Europeia que manifestaram disponibilidade para acolher os 233 migrantes que desembarcaram na quarta-feira à noite em Malta depois de passarem seis dias no navio da ONG alemã Lifeline.

O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro maltês, Joseh Muscat, na sua conta de Twitter, alargando para nove o total de países dispostos a receber uma quota de refugiados do Lifeline: Irlanda, Itália, Luxemburgo, Portugal, Malta, França, Bélgica, Holanda e agora Noruega.

O país escandinavo não é membro da União Europeia, mas faz parte do Espaço Económico Europeu.

O acordo prevê que os estados-membros da União Europeia (UE) distribuam entre si os refugiados, mas só serão acolhidos os que "cumpram os requisitos para pedir asilo", disse Muscat na quarta-feira numa conferência de imprensa.

O navio encontra-se retido e o seu capitão, Claus-Peter Reisch, foi interrogado durante a noite, segundo o diário "Maltatoday".

O jornal, que cita fontes próximas da investigação, refere que as autoridades estão a tentar esclarecer a quem pertence o navio, já que está registado com bandeira holandesa, mas este país assegura que não pertence ao seu registo naval.

Em causa está o facto de atuar como embarcação de resgate quando está registado como embarcação de recreio na Holanda.

Para já, não foram tomadas medidas contra os oito membros da tripulação e o fotógrafo italiano que seguiam a bordo.

Todos os migrantes, entre os quais se encontram 17 mulheres e cinco crianças, foram encaminhados para um centro de acolhimento em Marsa, exceto três crianças e um adulto que foram hospitalizados.

Entre estes encontra-se um menino de dois anos e meio, que viajava sozinho, desconhecendo-se onde estão os seus familiares.

As autoridades maltesas já iniciaram o processo de avaliação dos migrantes para determinar os que reúnem condições para requerer asilo e recolocação num dos países disponíveis para o acolhimento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.