Noruega junta-se a outros oito países europeus que vão receber migrantes do Lifeline

Navio encontra-se retido em Malta. Capitão foi interrogado durante a noite

A Noruega juntou-se esta quinta-feira aos oito países da União Europeia que manifestaram disponibilidade para acolher os 233 migrantes que desembarcaram na quarta-feira à noite em Malta depois de passarem seis dias no navio da ONG alemã Lifeline.

O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro maltês, Joseh Muscat, na sua conta de Twitter, alargando para nove o total de países dispostos a receber uma quota de refugiados do Lifeline: Irlanda, Itália, Luxemburgo, Portugal, Malta, França, Bélgica, Holanda e agora Noruega.

O país escandinavo não é membro da União Europeia, mas faz parte do Espaço Económico Europeu.

O acordo prevê que os estados-membros da União Europeia (UE) distribuam entre si os refugiados, mas só serão acolhidos os que "cumpram os requisitos para pedir asilo", disse Muscat na quarta-feira numa conferência de imprensa.

O navio encontra-se retido e o seu capitão, Claus-Peter Reisch, foi interrogado durante a noite, segundo o diário "Maltatoday".

O jornal, que cita fontes próximas da investigação, refere que as autoridades estão a tentar esclarecer a quem pertence o navio, já que está registado com bandeira holandesa, mas este país assegura que não pertence ao seu registo naval.

Em causa está o facto de atuar como embarcação de resgate quando está registado como embarcação de recreio na Holanda.

Para já, não foram tomadas medidas contra os oito membros da tripulação e o fotógrafo italiano que seguiam a bordo.

Todos os migrantes, entre os quais se encontram 17 mulheres e cinco crianças, foram encaminhados para um centro de acolhimento em Marsa, exceto três crianças e um adulto que foram hospitalizados.

Entre estes encontra-se um menino de dois anos e meio, que viajava sozinho, desconhecendo-se onde estão os seus familiares.

As autoridades maltesas já iniciaram o processo de avaliação dos migrantes para determinar os que reúnem condições para requerer asilo e recolocação num dos países disponíveis para o acolhimento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.