Noruega apresenta proposta para proibir uso de véu nas escolas

Creches e universidades estão incluídas. Lei estará em discussão até setembro

O Governo de coligação entre conservadores e direita anti-imigração da Noruega apresentou hoje um projeto de lei que visa proibir a utilização de um véu integral nas escolas nacionais, incluindo as creches e as universidades.

"Nós não queremos que seja usada nas creches, escolas e universidades roupa que cobre o rosto", disse o ministro Torbjørn Røe Isaksen, argumentando que "este tipo de vestuário impede uma boa comunicação, que é determinante para os alunos e os estudantes aprenderem bem".

A lei, que estará em discussão até setembro, data das eleições legislativas neste país nórdico, aplica-se aos niqabs, burcas, balaclavas e máscaras, vestimentas que se caracterizam por cobrirem boa parte do corpo e da cara.

A utilização do véu completo é relativamente rara na Noruega, e mais rara ainda nas escolas, mas a questão tem sido debatida de forma intermitente entre os políticos noruegueses.

O tema saltou para a atualidade quando o Conselho Islâmico, uma organização que representa os muçulmanos, contratou no princípio deste ano para fazer a sua comunicação uma mulher que utiliza o niqab, uma vestimenta que deixe apenas a descoberto os olhos de quem a usa.

"As roupas que cobrem o rosto, como o niqab, não têm lugar nas escolas norueguesas; é um valor fundamental a possibilidade de comunicação de uns com os outros", vincou o ministro interino da Imigração e Integração, Per Sandberg.

O projeto, que não prevê sanções, alarga a nível nacional e torna obrigatória uma possibilidade que já é prevista a nível local.

Em minoria no Parlamento, o Governo deve poder contar com o apoio da maioria dos outros partidos, de acordo com a imprensa norueguesa, que afirma que a lei deve entrar em vigor na primavera do próximo ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.