Noruega apresenta proposta para proibir uso de véu nas escolas

Creches e universidades estão incluídas. Lei estará em discussão até setembro

O Governo de coligação entre conservadores e direita anti-imigração da Noruega apresentou hoje um projeto de lei que visa proibir a utilização de um véu integral nas escolas nacionais, incluindo as creches e as universidades.

"Nós não queremos que seja usada nas creches, escolas e universidades roupa que cobre o rosto", disse o ministro Torbjørn Røe Isaksen, argumentando que "este tipo de vestuário impede uma boa comunicação, que é determinante para os alunos e os estudantes aprenderem bem".

A lei, que estará em discussão até setembro, data das eleições legislativas neste país nórdico, aplica-se aos niqabs, burcas, balaclavas e máscaras, vestimentas que se caracterizam por cobrirem boa parte do corpo e da cara.

A utilização do véu completo é relativamente rara na Noruega, e mais rara ainda nas escolas, mas a questão tem sido debatida de forma intermitente entre os políticos noruegueses.

O tema saltou para a atualidade quando o Conselho Islâmico, uma organização que representa os muçulmanos, contratou no princípio deste ano para fazer a sua comunicação uma mulher que utiliza o niqab, uma vestimenta que deixe apenas a descoberto os olhos de quem a usa.

"As roupas que cobrem o rosto, como o niqab, não têm lugar nas escolas norueguesas; é um valor fundamental a possibilidade de comunicação de uns com os outros", vincou o ministro interino da Imigração e Integração, Per Sandberg.

O projeto, que não prevê sanções, alarga a nível nacional e torna obrigatória uma possibilidade que já é prevista a nível local.

Em minoria no Parlamento, o Governo deve poder contar com o apoio da maioria dos outros partidos, de acordo com a imprensa norueguesa, que afirma que a lei deve entrar em vigor na primavera do próximo ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.