Norte-americano que esteve detido na Coreia do Norte morre queimado

Autoridades investigam possibilidade de suicídio ou acidente, mas descartam a hipótese de homicídio

O norte-americano Aijalon Gomes, libertado pela Coreia do Norte em 2010 após ter entrado ilegalmente no país, morreu queimado na sexta-feira, em San Diego, no sul do estado da Califórnia, informaram as autoridades.

Aijalon Gomes, de 38 anos, foi encontrado em chamas, mas ainda com vida num descampado na noite de sexta-feira, onde acabou por morrer.

A polícia de San Diego, que o identificou na segunda-feira, continua a investigar o caso, equacionando a possibilidade de suicídio ou acidente, mas descartando a hipótese de homicídio, de acordo com as agências de notícias internacionais.

Aijalon Gomes, natural de Boston, tinha-se mudado recentemente para San Diego, na costa oeste dos Estados Unidos.

Gomes trabalhava como professor de inglês na Coreia do Sul quando em 25 de janeiro de 2010 entrou na Coreia do Norte, atravessando a partir da China o rio Tumen.

Uma vez na Coreia do Norte foi imediatamente detido na fronteira, acabando por ser condenado a uma pena de oito anos de trabalhos forçados.

Aijalon Gomes conseguiu sair em liberdade sete meses depois de ter sido preso graças à intervenção do antigo Presidente dos Estados Unidos Jimmy Carter.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.