Norte-americano que esteve detido na Coreia do Norte morre queimado

Autoridades investigam possibilidade de suicídio ou acidente, mas descartam a hipótese de homicídio

O norte-americano Aijalon Gomes, libertado pela Coreia do Norte em 2010 após ter entrado ilegalmente no país, morreu queimado na sexta-feira, em San Diego, no sul do estado da Califórnia, informaram as autoridades.

Aijalon Gomes, de 38 anos, foi encontrado em chamas, mas ainda com vida num descampado na noite de sexta-feira, onde acabou por morrer.

A polícia de San Diego, que o identificou na segunda-feira, continua a investigar o caso, equacionando a possibilidade de suicídio ou acidente, mas descartando a hipótese de homicídio, de acordo com as agências de notícias internacionais.

Aijalon Gomes, natural de Boston, tinha-se mudado recentemente para San Diego, na costa oeste dos Estados Unidos.

Gomes trabalhava como professor de inglês na Coreia do Sul quando em 25 de janeiro de 2010 entrou na Coreia do Norte, atravessando a partir da China o rio Tumen.

Uma vez na Coreia do Norte foi imediatamente detido na fronteira, acabando por ser condenado a uma pena de oito anos de trabalhos forçados.

Aijalon Gomes conseguiu sair em liberdade sete meses depois de ter sido preso graças à intervenção do antigo Presidente dos Estados Unidos Jimmy Carter.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".