Assange é equatoriano?

Nome de Assange aparece na base de dados de cidadãos do Equador

O nome de Julian Assange, fundador da WikiLeaks, apareceu na base de dados do governo equatoriano, dando azo a mais especulações de que o australiano poderá ter adquirido nacionalidade daquele país. Assange está na embaixada do Equador, em Londres, há mais de cinco anos, para onde foi para evitar ser extraditado para a Suécia, onde era acusado de violação.

Os procuradores suecos deixaram cair a queixa em maio de 2017, mas as autoridades britânicas garantem que Assange será preso se sair da embaixada, diz a Reuters, que diz também ter encontrado uma entrada de "Julian Paul Assange" no registo civil do Equador, que apenas inclui cidadãos daquele país.

Contactada pela Reuters, uma porta-voz recusou comentar a situação. Assange e os seus advogados também têm declinado falar sobre a possibilidade, mas o australiano publicou nas redes sociais uma fotografia com a camisola da seleção do Equador, o que levantou ainda mais questões sobre a possibilidade de Assange ser agora cidadão do Equador.

A ministra dos Negócios Estrangeiros do Equador disse que estava a tentar resolver a situação de Assange, mas não fez qualquer referência a uma possível cidadania.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.