Assange é equatoriano?

Nome de Assange aparece na base de dados de cidadãos do Equador

O nome de Julian Assange, fundador da WikiLeaks, apareceu na base de dados do governo equatoriano, dando azo a mais especulações de que o australiano poderá ter adquirido nacionalidade daquele país. Assange está na embaixada do Equador, em Londres, há mais de cinco anos, para onde foi para evitar ser extraditado para a Suécia, onde era acusado de violação.

Os procuradores suecos deixaram cair a queixa em maio de 2017, mas as autoridades britânicas garantem que Assange será preso se sair da embaixada, diz a Reuters, que diz também ter encontrado uma entrada de "Julian Paul Assange" no registo civil do Equador, que apenas inclui cidadãos daquele país.

Contactada pela Reuters, uma porta-voz recusou comentar a situação. Assange e os seus advogados também têm declinado falar sobre a possibilidade, mas o australiano publicou nas redes sociais uma fotografia com a camisola da seleção do Equador, o que levantou ainda mais questões sobre a possibilidade de Assange ser agora cidadão do Equador.

A ministra dos Negócios Estrangeiros do Equador disse que estava a tentar resolver a situação de Assange, mas não fez qualquer referência a uma possível cidadania.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.