Noiva de Lula transferida para 630 km de distância do antigo presidente

Decisão é de Joaquim Luna, diretor-geral da empresa onde Rosângela Silva trabalha, nomeado em fevereiro por Bolsonaro e surge três semanas depois de divulgado o romance

Luiz Inácio Lula da Silva e a noiva, Rosângela Silva, conhecida também por Janja, vão ter mais dificuldade para se encontrarem. O diretor geral da empresa estatal Itaipu Binacional, onde Janja trabalha, decidiu transferi-la de Curitiba, cidade em que o antigo presidente se encontra detido desde o ano passado, para Foz de Iguaçu, a 630 km. Esse diretor, Joaquim Silva e Luna, foi nomeado pelo atual presidente, Jair Bolsonaro, em fevereiro deste ano.

A decisão, que afeta mais 150 funcionários, é justificada como contenção de gastos e otimização de recursos, noticia o jornal Folha de S. Paulo, uma vez que a empresa gasta cerca de 45 mil euros com o escritório de Curitiba.

Janja visita Lula ao final das tardes de quinta-feira, o dia em que o político acusado de corrupção e outros crimes tem direito a duas visitas. Além de ser presença constante na "Vigília Lula Livre", montada por um grupo de apoiantes do ex-sindicalista desde o dia da sua detenção, nas imediações da prisão.

Numa daquelas visitas, segundo revelação há três semanas de Bresser Pereira, ministro dos governos de José Sarney e de Fernando Henrique Cardoso que o visitou na cadeia, os dois ficaram noivos.