"Nobel só serviu para alimentar a vaidade pessoal de um presidente"

Vicente Torrijos, professor de Ciência Política e Relações Internacionais da Universidade de Rosário, que defendeu o "não" no referendo sobre o acordo de paz, fala dos pontos positivos e negativos do Nobel para Juan Manuel Santos.

"O Nobel para Santos tem duas caras: negativa e positiva", disse ao DN o professor de Ciência Política e Relações Internacionais da Universidade de Rosário, Vicente Torrijos, que defendeu o "não" no referendo do último fim de semana. O "não" viria a ganhar por menos de 60 mil votos de diferença.

O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, é o galardoado deste ano com o Prémio Nobel da Paz, pelos seus esforços para pôr fim à guerra civil no país, que dura há mais de meio século. O prémio é atribuído pelo Comité Nobel norueguês apesar de o acordo de paz negociado ao longo dos últimos quatro anos com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) ter sido recusado pelos colombianos num referendo.

"A cara negativa é que polariza ainda mais o país", explica Torrijos, dizendo que para quem votou "não" o prémio é visto como "a satisfação do ego" do presidente "e uma intromissão em momentos tão delicados". O professor diz que o comité Nobel não está a premiar "a paz", mas "os esforços por alcançá-la", questionando como é possível premiar os esforços "que a própria população recusou no plebiscito".

Por outro lado, "a cara positiva é que ajuda a dar impulso a uma nova negociação com as FARC", que seja, "completamente diferente da assinada em Havana". Essa nova negociação, alega Torrijos, "tem que basear-se na agenda e nos conteúdos que apresentaram os opositores", porque só assim "uma nova negociação terá sentido". O principal opositor é o ex-presidente Álvaro Uribe, líder do partido Centro Democrático.

Caso não sirva para dar esse impulso a uma nova negociação, "só servirá para aumentar a violência e, com ainda mais razão, fortalece-se a ideia de que o prémio Nobel só serviu para alimentar a vaidade pessoal de um presidente que já entra na reta final do seu mandato", disse Torrijos ao DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.