"Nobel só serviu para alimentar a vaidade pessoal de um presidente"

Vicente Torrijos, professor de Ciência Política e Relações Internacionais da Universidade de Rosário, que defendeu o "não" no referendo sobre o acordo de paz, fala dos pontos positivos e negativos do Nobel para Juan Manuel Santos.

"O Nobel para Santos tem duas caras: negativa e positiva", disse ao DN o professor de Ciência Política e Relações Internacionais da Universidade de Rosário, Vicente Torrijos, que defendeu o "não" no referendo do último fim de semana. O "não" viria a ganhar por menos de 60 mil votos de diferença.

O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, é o galardoado deste ano com o Prémio Nobel da Paz, pelos seus esforços para pôr fim à guerra civil no país, que dura há mais de meio século. O prémio é atribuído pelo Comité Nobel norueguês apesar de o acordo de paz negociado ao longo dos últimos quatro anos com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) ter sido recusado pelos colombianos num referendo.

"A cara negativa é que polariza ainda mais o país", explica Torrijos, dizendo que para quem votou "não" o prémio é visto como "a satisfação do ego" do presidente "e uma intromissão em momentos tão delicados". O professor diz que o comité Nobel não está a premiar "a paz", mas "os esforços por alcançá-la", questionando como é possível premiar os esforços "que a própria população recusou no plebiscito".

Por outro lado, "a cara positiva é que ajuda a dar impulso a uma nova negociação com as FARC", que seja, "completamente diferente da assinada em Havana". Essa nova negociação, alega Torrijos, "tem que basear-se na agenda e nos conteúdos que apresentaram os opositores", porque só assim "uma nova negociação terá sentido". O principal opositor é o ex-presidente Álvaro Uribe, líder do partido Centro Democrático.

Caso não sirva para dar esse impulso a uma nova negociação, "só servirá para aumentar a violência e, com ainda mais razão, fortalece-se a ideia de que o prémio Nobel só serviu para alimentar a vaidade pessoal de um presidente que já entra na reta final do seu mandato", disse Torrijos ao DN.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.