"Nobel só serviu para alimentar a vaidade pessoal de um presidente"

Vicente Torrijos, professor de Ciência Política e Relações Internacionais da Universidade de Rosário, que defendeu o "não" no referendo sobre o acordo de paz, fala dos pontos positivos e negativos do Nobel para Juan Manuel Santos.

"O Nobel para Santos tem duas caras: negativa e positiva", disse ao DN o professor de Ciência Política e Relações Internacionais da Universidade de Rosário, Vicente Torrijos, que defendeu o "não" no referendo do último fim de semana. O "não" viria a ganhar por menos de 60 mil votos de diferença.

O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, é o galardoado deste ano com o Prémio Nobel da Paz, pelos seus esforços para pôr fim à guerra civil no país, que dura há mais de meio século. O prémio é atribuído pelo Comité Nobel norueguês apesar de o acordo de paz negociado ao longo dos últimos quatro anos com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) ter sido recusado pelos colombianos num referendo.

"A cara negativa é que polariza ainda mais o país", explica Torrijos, dizendo que para quem votou "não" o prémio é visto como "a satisfação do ego" do presidente "e uma intromissão em momentos tão delicados". O professor diz que o comité Nobel não está a premiar "a paz", mas "os esforços por alcançá-la", questionando como é possível premiar os esforços "que a própria população recusou no plebiscito".

Por outro lado, "a cara positiva é que ajuda a dar impulso a uma nova negociação com as FARC", que seja, "completamente diferente da assinada em Havana". Essa nova negociação, alega Torrijos, "tem que basear-se na agenda e nos conteúdos que apresentaram os opositores", porque só assim "uma nova negociação terá sentido". O principal opositor é o ex-presidente Álvaro Uribe, líder do partido Centro Democrático.

Caso não sirva para dar esse impulso a uma nova negociação, "só servirá para aumentar a violência e, com ainda mais razão, fortalece-se a ideia de que o prémio Nobel só serviu para alimentar a vaidade pessoal de um presidente que já entra na reta final do seu mandato", disse Torrijos ao DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).