"Devemos reconhecer a vontade da Indonésia de aceitar Timor porque podia ter sabotado a independência"

Entrevista a Sukehiro Hasegawa, que foi chefe da Missão das Nações Unidas em Timor, e esteve em Lisboa para uma conferência no IDN. Fala sobre crescer depois da Segunda Guerra Mundial e da importância da paz global.

Vamos começar pela sua experiência pessoal em Timor-Leste onde foi representante especial do secretário-geral da ONU nos primeiros anos pós-independência. Na sua opinião, a antiga colónia portuguesa a partir de 2002 tem sido uma história de sucesso, um bom exemplo de manutenção e construção da paz, de triunfo do direito internacional e da importância da ONU?

Sim, Timor-Leste é um caso de sucesso na assistência da ONU, porque são os próprios líderes do país que querem construir a paz. As Nações Unidas apenas ajudaram a construir a paz. Se o povo e os líderes de Timor-Leste não quisessem a paz, não era possível construí-la.

Está, portanto, a elogiar pessoas como Ramos Horta, Xanana Gusmão ou Mari Alkatiri como sendo líderes sábios?

Sim, penso que Xanana Gusmão é uma referência para o seu povo, ele quer que o seu povo o ame tanto quanto ele o ama. Quanto a José Ramos-Horta, é uma referência para a comunidade internacional; ele está comprometido com a defesa universal dos direitos humanos. Mari Alkatiri é diferente, é um advogado, é um intelectual, por isso está muito comprometido com o pensamento racional, com o raciocínio. Portanto, estes três líderes são diferentes, mas uma coisa que têm em comum é estarem todos empenhados no interesse nacional de Timor-Leste.

Foi uma surpresa para si a forma como Portugal e a Indonésia, a resistência timorense e a comunidade internacional concordaram numa solução para Timor-Leste via referendo de 1999?

Sim, eles acabaram por chegar a acordo, e penso que devemos reconhecer a vontade da Indonésia de aceitar Timor-Leste porque eles podiam ter sabotado a independência do país, mas acomodaram o novo Estado. Encontrei-me com Susilo Bambang Yudhoyono, ele estabeleceu uma boa relação com Xanana Gusmão e tornaram-se irmãos. A reconciliação foi possível porque os líderes timorenses não culparam os soldados indonésios por todas as coisas más que aconteceram e, também, porque os indonésios aceitaram Timor-Leste.

Pela sua experiência em Timor-Leste diria que a herança portuguesa é importante para a construção da identidade nacional do país?

Sim, sim, muito. Penso que eles queriam ter uma identidade e, ao mesmo tempo, manter a sua própria herança cultural, o que está muito em linha com a cultura timorense de tolerância. Os portugueses são diferentes de outros povos europeus, vocês são mais acomodados, não tentam forçar, impor a vossa própria vontade e a vossa própria conceção de colonizadores; vocês são mais tolerantes do que outros países. Isso é bom, o povo timorense ainda olha para Portugal como para um irmão mais velho. Isto é importante porque, muitas vezes, como colonizadores ou ocupantes, tentamos impor o nosso sentido de justiça; a justiça, segundo a nossa própria conceção, pode estar certa para a nossa própria sociedade, mas pode não ser tanto assim para outra. Há também o desenvolvimento histórico: não se podia impor uma democracia no Portugal de há 300 anos [risos]. Os países agora em desenvolvimento têm de transformar, de certa maneira, as suas sociedades em 20 ou 30 anos, tal como fizeram os países ocidentais em 200 ou 300 anos, mas temos de nos certificar de que eles têm as suas primeiras necessidades satisfeitas - como seres humanos e como sociedade -, e são elas: a estabilidade e a segurança.

E para si, que começou como funcionário internacional em 1969, as Nações Unidas são cruciais para isso?

Cruciais. A ONU é fundamental porque tenta acomodar a cultura não apenas de um país, mas de todos os países juntos, e tenta encontrar a melhor solução, que é difícil de atingir, mas agimos depois de estabelecido o que é bom para toda a gente.

Se tivesse de avaliar a ONU nestas sete décadas desde a fundação, daria uma nota muito positiva?

Sim, daria. As Nações Unidas conseguem muita coisa, num sentido em que muitas pessoas não se apercebem. Por exemplo, sem a Organização da Aviação Civil Internacional (ICAO - sigla em inglês), sediada no Canadá, os aviões não podem voar; sem a União Postal Universal (UPU), não podíamos trocar as nossas cartas, o que fazemos é aproximarmo-nos. No Japão, há 200 anos, abrimos o nosso país, porque descobrimos que se não caminhássemos juntos tínhamos dezenas de pequenos Estados. Eles não podiam continuar a lutar entre si, tinham de se unir, senão seriam conquistados pelos ocidentais. Agora, o que acontece é que não temos invasores vindos de Marte ou de Júpiter para nos atacar, mas temos a globalização e a tecnologia como desafios comuns e, se não caminharmos juntos, não conseguimos gerir e controlar esse avanço tecnológico global para nosso benefício. O poder nuclear é um exemplo: se não o conseguirmos gerir, os terroristas apoderam-se dele. Assim, isso é uma coisa que as Nações Unidas podem fazer, perceber como podemos caminhar juntos. Sei que a administração americana - Donald Trump hoje - não quer a governança global, mas temos de caminhar em direção a ela.

Nasceu durante a Segunda Guerra Mundial e a sua infância foi durante a recuperação económica milagrosa do Japão, hoje terceira potência em termos de PIB. As suas memórias da guerra e do período pós-guerra moldaram a forma como vê o mundo?

Sim, sim, muito, porque nós fomos totalmente destruídos pelos bombardeamentos, atómicos e outros. Ficámos sem nada, tínhamos fome e tivemos de procurar a comida e tudo o resto, mas trabalhámos muito e, desta vez, dissemos: temos de aprender com as lições. Antes havia os Estados-nação, mas percebemos que tínhamos de avançar na direção das Nações Unidas, o preâmbulo da Constituição japonesa está muito em linha com a Carta das Nações Unidas. Depois da guerra, o Japão disse: não vamos perder as nossas forças armadas para a solução do desmantelamento, por isso mandámos as nossas forças da manutenção da paz e juntámo-nos ao corpo das Nações Unidas. O povo quer manter as coisas assim. Claro que o atual governo, o senhor Shinzo Abe, quer mudar a Constituição de modo a podermos dar uma contribuição militar maior às Nações Unidas, mas não tenho a certeza de que o povo gostasse de fazer isso. Mas esta é uma questão em cima da mesa, porque o primeiro-ministro quer mudar a Constituição, ele tem mais três anos garantidos no poder e esse é o seu sonho.

Em relação ao papel do Japão na ONU: o Japão quer ser um membro permanente do Conselho de Segurança. Concorda?

Eu penso que o Japão deve ser membro do Conselho de Segurança, porque atualmente o Japão aborda a paz internacional de uma forma diferente dos Estados Unidos, da Rússia, etc. O Japão quer ter segurança e paz não através das forças armadas, mas da cooperação, e isto é uma diferença porque, no passado, pensávamos que apenas umas forças armadas fortes conseguiam estabelecer a paz, mas descobrimos que a força militar cria mais competição. O Japão continua, através das Nações Unidas, a lutar pela paz e pelo desenvolvimento em África, no Médio Oriente e noutros lugares e acho que devemos continuar, se todos os países fizessem isso penso que não teríamos o tipo de problemas que temos agora. Se abordássemos o Iraque ou a Síria através das Nações Unidas não teríamos tantos refugiados.

É da opinião que, no futuro, o Conselho de Segurança terá de admitir também países como o Brasil e a Índia como membros permanentes?

Sim, sim. Eu reportei ao Conselho de Segurança quatro vezes e descobri como o Brasil e a Índia são importantes. Porque eles têm uma perspetiva diferente da paz, veem-na de forma diferente.

Pensa, portanto que o Japão, o Brasil, a Índia devem ser membros do Conselho de Segurança?

E a Alemanha também, estes quatro países e possivelmente um de África. A principal razão por que não conseguimos fazer uma reforma do Conselho de Segurança dez anos atrás foi porque os africanos queriam dois lugares permanentes, mas o total da população de África é inferior à da Índia. Assim, os africanos vão ter de aceitar também que só poderão ter um país.

É difícil escolher qual?

Etiópia, Nigéria, África do Sul... é difícil a escolha, mas penso que agora, com a União Africana, vai resolver-se gradualmente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.