"Ninguém sabia que o sistema de saúde era tão complicado"

Donald Trump falou sobre o sistema de saúde, sobre os impostos, e diz que tem uma solução "muito boa" para substituir o Obamacare

Com uma sala da Casa Branca cheia de governadores, Donald Trump, depois de já ter falado das questões bélicas e de segurança, virou-se para a saúde. E reiterou que vai substituir o Obamacare, reforma que Barack Obama implementou e que visa que mais norte-americanos tenham seguro de saúde.

"Vamos substituir o Obamacare e dar aos estados a flexibilidade de que eles precisam, para que o resultado final seja perfeito para eles", começou por afirmar, continuando ao dizer que tem uma solução, mas sem a revelar.

"Temos uma solução que eu acho que é mesmo, mesmo muito boa. Mas tenho que vos dizer, é um assunto inacreditavelmente complexo. Ninguém sabia que o sistema saúde era tão complicado", afirmou o Presidente norte-americano.

"Em termos estatutários, e também devido ao orçamento, como sabem, temos de tratar do sistema de saúde antes do corte nos impostos. O corte nos impostos vai ser enorme. Vai ser simples", prosseguiu.

Apesar de esse "plano de impostos ser maravilhoso", nas palavras de Trump, a verdade é que "não pode ser feito enquanto não se tratar do sistema de saúde". Isto porque Donald Trump diz que é necessário saber "quanto vai custar o sistema de saúde".

De seguida, atirou uma ideia que, na sua opinião, poderia capitalizar votos para o Partido Republicano, para depois enfatizar que não o iria fazer, por "não ser justo para as pessoas".

"O Obamacare falhou. Eu digo aos republicanos: se querem fazer algo de bom politicamente, não façam nada. Fiquem parados durante dois anos, porque 2017 vai ser um desastre. Um desastre para o Obamacare se não fizermos nada. E eu digo para deixarem ser um desastre, porque podemos colocar a culpa nos democratas e em Obama. Deixem implodir. Não façam nada. E eles vão implorar para que façamos algo", afirmou.

"Mas isso não é a coisa certa a fazer, para as pessoas. Não é justo. Politicamente seria uma grande solução, porque assim que lhe tocarmos, assim que façamos a mais pequena coisa, mudemos a mais pequena coisa, o que vão dizer? O problema é dos republicanos. É assim que as coisas são.
Mas temos que fazer o que está certo, porque o Obamacare é um desastre", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.