Nigel Farage recusa abdicar de pensão paga pela UE

Eurodeputado que foi um dos grandes defensores do brexit terá alegadamente direito a 83 mil euros anuais

Foi um dos principais rostos do brexit, mas o antigo líder dos independentistas do UKIP Nigel Farage disse ontem que não vai abdicar da pensão a que terá direito por ser eurodeputado desde 1999. “Dada a forma arbitrária que a União Europeia se comporta em termos de dinheiro, ficaria muito surpreendido se tivesse direito a alguma coisa”, disse no programa do jornalista Andrew Marr, na BBC. Mas questionado se aceitaria as 73 mil libras anuais (83 mil euros) quando fizer 63 anos (tem 53) acrescentou: “Claro que aceitaria. Porque é que a minha família e outros devem sofrer mais?”

Claro que aceitaria. Porque é que a minha família e outros devem sofrer mais?

O valor da pensão foi calculado pelo The Sunday Times e poderia ser parcialmente coberto pela “conta do divórcio” entre o Reino Unido e a União Europeia, estimada em 50 mil milhões de libras, caso haja um acordo. Farage, que fez tudo para conseguir o brexit, negou estar a ser hipócrita ao aceitar o dinheiro. “Eu votei para ficar sem emprego. Eu fui o peru que votou pelo Natal. Como é que isso pode ser hipocrisia?”, questionou no programa da BBC.

Esta semana será decisiva nas negociações do brexit, com a primeira-ministra britânica, Theresa May, a almoçar hoje com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker. A União Europeia quer um acordo geral sobre três termos do divórcio - os direitos dos cidadãos, a “conta do divórcio” e a futura fronteira entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda - antes de iniciar as negociações sobre o período de transição ou o futuro acordo comercial. O almoço é um prazo-limite para Bruxelas ter as últimas ofertas de May, antes de os líderes europeus decidirem, na cimeira de 15 de dezembro, passar à segunda fase de negociações. O vice-primeiro-ministro irlandês, Simon Coveney, disse ontem que não quer atrasar o brexit, mas esperava já ter havido maior progresso em relação às fronteiras.

O ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair confirmou entretanto que trabalha para reverter o brexit, defendendo um novo referendo. 50% dos inquiridos pelo Mail on Sunday concordam com um voto sobre o acordo final.

Ler mais

Exclusivos

Premium

JAIME NOGUEIRA PINTO

O arauto da revolta popular

Rejeição. Não é, por enquanto, senão isso. Não pelos reaccionários, pelos latifundiários, pelos generais golpistas, pelos fascistas declarados ou encapotados, mas pelo povo brasileiro, que vota agora contra a esquerda dita idealista - e notoriamente irrealista quanto à natureza humana (sobretudo à própria) - que montou um "mecanismo" de enriquecimento ilícito e de perpetuação no poder digno dos piores hábitos do coronelismo e do caciquismo que os seus antepassados ideológicos, de Josué de Castro a Celso Furtado, tanto criticaram. Um povo zangado, enganado, roubado, manipulado pelos fariseus da tolerância, dos direitos humanos e das flores de retórica do melhor dos mundos, pelos donos de tudo - do pensamento único aos recursos do Estado.