Nicolás Maduro na China para negociar parcerias estratégicas

O presidente da Venezuela procura acordos ao nível económico, comercial, energético, financeiro e tecnológico

Nicolás Maduro, presidente da Venezuela, partiu esta quarta-feira para uma visita oficial à China, onde irá tentar estabelecer parcerias estratégicas com o objetivo de ajudar o país a ultrapassar a grave crise que atravessa.

"Vou à República Popular da China numa visita de Estado muito necessária, muito oportuna e cheia de grandes expetativas para estabelecer novos acordos de associação estratégica no plano económico, comercial, energético, financeiro e tecnológico", disse o líder venezuelano à televisão estatal, ainda no aeroporto de Caracas.

Maduro, que deixou a Venezuela com honras militares, acrescentou ainda que a sua viagem também tem como objetivo "melhorar, expandir e aprofundar as extraordinárias relações políticas" que unem os dois países, lembrando que esta visita surge numa altura em que "foi ativado o programa de recuperação económica".

A Venezuela atravessa uma grave crise, existindo uma grande escassez de alimentos e medicamentos, além de uma inflação que, de acordo com o FMI, supera os 1000000%.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.