Neve fecha torre Eiffel, bloqueia camiões e deixa Paris quase fechada

A neve está a perturbar a vida em Paris e a metade norte de França, com mais de setecentos quilómetros de filas em torno da capital francesa, centenas de camiões pesados bloqueados e a Torre Eiffel fechada.

A queda de neve "notável e durável" torna a circulação difícil no eixo que vai do Pays de la Loire e do Poitou, no oeste, às Ardenas, no nordeste, passando pela região parisiense, segundo os serviços meteorológicos.

Em Paris e nos seus arredores, foram registados 739 quilómetros de engarrafamento foram registados pouco antes das 19:30 locais (18:30 de Lisboa) pelo sítio de informações rodoviárias em linha Sytadin, antes de começar a diminuir.

Os autocarros que servem a capital francesa e os seus arredores foram todos chamados para as respetivas garagens.

Os transportes escolares não vão circular na quarta-feira em vários departamentos franceses, designadamente no da capital.

A situação pode tornar-se crítica na noite de quarta para quinta-feira antes da descida das temperaturas, que podem cair para dez graus negativos, e o aparecimento de blocos de gelo nos terrenos com neve

Este primeiro episódio de queda importante de neve, depois de um mês de janeiro excecionalmente ameno, também está a provocar dificuldades nos transportes ferroviários.

Assim, a SNCF, a companhia nacional dos caminhos-de-ferro, anunciou hoje ter reduzido a velocidade dos seus comboios em parte da rede, provocando atrasos, enquanto a linha de grande velocidade Atlântico apresentou algumas perturbações.

Na região parisiense, nos principais eixos rodoviários, a circulação foi interdita a partir das 14:00 locais aos veículos com mais de 7,5 toneladas, declarou a prefeitura da polícia, que aconselhou os particulares a reduzirem as suas deslocações rodoviárias.

Só no departamento das Yvelines, uma centena de camiões pesados estavam bloqueados entre Buchelay e Bonnières-sur-Seine na autoestrada A13 e 570 na A10, avisou a prefeitura cerca das 22:30.

A sociedade de exploração da Torre Eiffel decidiu encerrar o monumento hoje, devido às condições meteorológicas.

Vinte e dois departamentos, dos quais oito da região parisiense, emitiram desde segunda-feira um "alerta frio elevado" para o acolhimento dos sem-abrigo, divulgou o Ministério da Coesão dos Territórios.

Isto significa a abertura de cerca de mil locais de acolhimento de urgência, além dos 13 mil já previstos para o inverno.

Na sexta-feira pode-se assistir à chegada de mais neve, proveniente desta vez do noroeste.

O contraste é grande com as semanas anteriores.

O tempo ameno tinha com efeito dominado, com o mês de janeiro menos frio em mais de um século, ao mesmo tempo que chuvas recorde provocaram inundações em várias regiões.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.