"Nestas matérias não há risco zero"

Entrevista a Helena Fazenda, Secretária-geral do Sistema de Segurança Interna

O que vai mudar no combate ao terrorismo na Europa, na sequência dos atentados de Paris?

Os atentados de Paris, enquadram-se, infelizmente, num cenário de horror, que tem vindo a ser equacionado nestes últimos anos. Como se sabe, nesta matéria, não há risco zero. Não existem dúvidas de que o caminho a prosseguir é o reforço na deteção e na prevenção, com forte incidência ao nível da cooperação e da partilha de informação. Não existe espaço para abordagens solitárias ou isoladas. Sejam elas internas ou externas.

Que mecanismos / instrumentos falta ainda aprovar para reforçar este combate?

Os atuais são considerados adequados e ajustados. Mais que desenvolver novos mecanismos, o importante é potencializar e agilizar os existentes.

Como estão as nossas forças e serviços de segurança a olhar para esta situação?

Com a preocupação que a situação encerra, denotando elevada responsabilidade e total disponibilidade para, num esforço conjunto que está a ser desenvolvido desde o primeiro momento, se minimizar potenciais riscos.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.