"Nestas matérias não há risco zero"

Entrevista a Helena Fazenda, Secretária-geral do Sistema de Segurança Interna

O que vai mudar no combate ao terrorismo na Europa, na sequência dos atentados de Paris?

Os atentados de Paris, enquadram-se, infelizmente, num cenário de horror, que tem vindo a ser equacionado nestes últimos anos. Como se sabe, nesta matéria, não há risco zero. Não existem dúvidas de que o caminho a prosseguir é o reforço na deteção e na prevenção, com forte incidência ao nível da cooperação e da partilha de informação. Não existe espaço para abordagens solitárias ou isoladas. Sejam elas internas ou externas.

Que mecanismos / instrumentos falta ainda aprovar para reforçar este combate?

Os atuais são considerados adequados e ajustados. Mais que desenvolver novos mecanismos, o importante é potencializar e agilizar os existentes.

Como estão as nossas forças e serviços de segurança a olhar para esta situação?

Com a preocupação que a situação encerra, denotando elevada responsabilidade e total disponibilidade para, num esforço conjunto que está a ser desenvolvido desde o primeiro momento, se minimizar potenciais riscos.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...