Negociador-chefe do acordo de paz pôs lugar à disposição

Colombianos votaram contra o acordo de paz alcançado entre Governo e as FARC

O negociador-chefe do governo colombiano no processo de paz com as FARC, Humberto de la Calle Lombana, pôs hoje o lugar à disposição, na sequência do "não" dos eleitores colombianos ao acordo no plebiscito de domingo.

"Venho dizer ao presidente [Juan Manuel Santos] que ponho à sua disposição o meu cargo de chefe da delegação porque não serei um obstáculo para o que se seguir", disse De La Calle na sua primeira declaração após o triunfo do "não" no plebiscito.

A opção "não" obtevo 6.431.376 votos (50,21 por cento) contra os 6.377.482 a favor do "sim" (49,78 por cento).

Numa declaração na sede do governo colombiano, a Casa de Nariño, De la Calle afirmou: "os erros que tenhamos cometido são da minha exclusiva responsabilidade. Assumo integralmente a minha responsabilidade política".

Por outro lado, realçou que vai continuar "a trabalhar incessantemente pela paz" em quaisquer funções em que "possa ser útil".

O negociador-chefe manifestou ainda o seu "total apoio" ao chefe de Estado colombiano, afirmando que este mostrou "uma liderança valente" porque "preferiu a paz à inércia da guerra" e "porque se submeteu à decisão dos cidadãos".

O presidente Juan Manuel Santos ainda não se pronunciou sobre se De la Calle continuará ou não à frente da equipa negociadora. O presidente enviou De la Calle a Havana para "manter informados os negociadores das FARC" sobre o diálogo político que quer iniciar com todos os partidos do país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.