Negociador-chefe do acordo de paz pôs lugar à disposição

Colombianos votaram contra o acordo de paz alcançado entre Governo e as FARC

O negociador-chefe do governo colombiano no processo de paz com as FARC, Humberto de la Calle Lombana, pôs hoje o lugar à disposição, na sequência do "não" dos eleitores colombianos ao acordo no plebiscito de domingo.

"Venho dizer ao presidente [Juan Manuel Santos] que ponho à sua disposição o meu cargo de chefe da delegação porque não serei um obstáculo para o que se seguir", disse De La Calle na sua primeira declaração após o triunfo do "não" no plebiscito.

A opção "não" obtevo 6.431.376 votos (50,21 por cento) contra os 6.377.482 a favor do "sim" (49,78 por cento).

Numa declaração na sede do governo colombiano, a Casa de Nariño, De la Calle afirmou: "os erros que tenhamos cometido são da minha exclusiva responsabilidade. Assumo integralmente a minha responsabilidade política".

Por outro lado, realçou que vai continuar "a trabalhar incessantemente pela paz" em quaisquer funções em que "possa ser útil".

O negociador-chefe manifestou ainda o seu "total apoio" ao chefe de Estado colombiano, afirmando que este mostrou "uma liderança valente" porque "preferiu a paz à inércia da guerra" e "porque se submeteu à decisão dos cidadãos".

O presidente Juan Manuel Santos ainda não se pronunciou sobre se De la Calle continuará ou não à frente da equipa negociadora. O presidente enviou De la Calle a Havana para "manter informados os negociadores das FARC" sobre o diálogo político que quer iniciar com todos os partidos do país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.