Navio da ONG Lifeline está retido em Malta e capitão foi interrogado

As autoridades estão a tentar esclarecer a quem realmente pertence o navio

O navio da ONG alemã Lifeline, que atracou na quarta-feira em Malta para desembarcar 233 imigrantes, foi retido como medida de precaução e o seu capitão, Claus-Peter Reisch, foi interrogado durante a noite, noticia esta quinta-feira o jornal Maltatoday.

O diário maltês, citando fontes próximas da investigação, referiu que as autoridades estão a tentar esclarecer a quem realmente pertence o navio e investiga-se também porque o barco agiu como um navio de resgate quando está registado como barco de recreio na Holanda.

Todos os imigrantes, incluindo 17 mulheres e cinco crianças, foram levados para um abrigo em Marsa, com exceção de três crianças e um adulto que foram hospitalizados

Até ao momento, nenhuma ação foi tomada contra os oito membros da tripulação e um fotógrafo italiano que estavam a bordo.

Todos os imigrantes, incluindo 17 mulheres e cinco crianças, foram levados para um abrigo em Marsa, com exceção de três crianças e um adulto que foram hospitalizados.

Entre os imigrantes havia um rapaz de dois anos e meio que viajava sozinho e não se sabe onde está o resto da família.

O primeiro-ministro de Malta, Joseph Muscat, já havia anunciado que uma investigação seria aberta contra o capitão por não ter atendido as ordens dadas pelos Centros de Coordenação de Resgate da Líbia e de Itália.

É importante sublinhar que a única ordem que o navio se recusou foi a entregar pessoas ao chamado Serviço de Guarda Costeira da Líbia, já que este não respeita a Convenção de Genebra sobre os Refugiados e, portanto, é ilegal

A organização não-governamental alemã respondeu que essas acusações "são falsas".

"É importante sublinhar que a única ordem que o navio se recusou foi a entregar pessoas ao chamado Serviço de Guarda Costeira da Líbia, já que este não respeita a Convenção de Genebra sobre os Refugiados e, portanto, é ilegal", acrescentou a ONG.

A organização explicou que, a 21 de junho, "depois de solicitar às autoridades líbias a que porto seguro poderia dirigir-se, o navio recebeu a resposta, referindo que deveria desembarcar em Trípoli, o que teria sido uma violação do princípio de não-devolução".

O primeiro-ministro de Malta, Joseph Muscat, anunciou esta quinta-feira que permitiria o acesso do barco da ONG ao seu porto, após chegar a um acordo para distribuir os refugiados por oito países da União Europeia (Malta, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Portugal, França, Bélgica e Holanda).

O caso lembra o que viveu a ONG espanhola Open Arms, que depois de passar vários dias a esperar para desembarcar, o navio foi retido e o seu capitão e a responsável da missão investigados por facilitar a imigração ilegal.

O navio da Open Arms foi finalmente libertado, mas a investigação sobre o capitão e da agente humanitária continua.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.